Energia dos elementos

A terra helênica

Introdução

  • A minha intenção é esse texto ser um repositório dos meus estudos sobre o elemento terra na perspectiva helênica. Por isso, será um texto em constante construção. Volte aqui sempre em busca da versão mais atual. Assim como qualquer outro texto deste blog, não pretendo esgotar esse assunto aqui, apenas compartilhar o que já estudei para ajudar vocês.
  • Diferente do que normalmente vemos no neopaganismo onde os elementais estão separados didaticamente por elementos, ao estudar a perspectiva grega, percebemos que os espíritos da natureza estão por toda a parte e muitos deles habitam em locais onde mais de um elemento predomina ao mesmo tempo.
  • Na nossa realidade existem elementos naturais mais complexos que apenas as divisões entre fogo, terra, água e ar. Isso fica claro quando pensamos em ninfas das nuvens, ninfas das estrelas, ninfas da luz, ninfas de vulcões, entre outras, que podem ser compreendidas como elementais de mais de uma categoria.
  • Os textos sobre elementos buscam apenas uma reflexão de onde os elementos estão se manifestando e levam destaque na mitologia grega. Apesar da divisão didática, é importante pensar que pode haver predomínio de um elemento, mas dificilmente estarão isolados. Compreender os elementais gregos é ter contato com a natureza, ultrapassando os limites dessas categorias.

Terra: Construção e Destruição

  • Assim como tudo na natureza, a terra tem seus aspectos construtivos e destrutivos. Por isso, buscamos o equilíbrio dessa força em nós.
  • Ele é um elemento de criatividade e concretização, a sua ação gera força e manifestação no mundo físico de nossos projetos.
  • Momentos de construção da terra:
    • Fertilidade;
    • Nascimentos;
    • Prosperidade;
    • Aterramento.
  • Momentos de destruição da terra:
    • Decomposição;
    • Terremotos;
    • Deslizamentos;
    • Guerras por território.
Germinação de feijão.

Manifestações da terra

  • O processo civilizatório do povo helênico, de povos nômades até povos sedentários e agrários gerou fortes mudanças na relação que com a terra.

I) Hierofania do planeta

  • Para o povo grego, todo o planeta é uma criação e manifestação dos deuses, portanto, nada é totalmente natural e surgiu sem ter uma influência de divindades. O animismo é muito presente na mente grega. Não existe divisão entre sagrado e profano. Os deuses e espíritos estão interagindo constantemente nos seus dias. As festividades anuais eram atualizações dos mitos e formas de apaziguar e honrar os deuses com oferendas.
  • O próprio planeta é o corpo da Deusa Gaia, primeira deusa a nascer, sozinha a partir do Caos. A medida que o protagonismo feminino de geração começou a ser substituído pelo patriarcado, as deusas da terra começaram a ter atribuições mais restritas ao nascimento e fertilidade da terra.
  • Deuses relacionadas a terra: Gaia, Rheia-Cibele, Deméter, Perséfone, etc.
  • Ninfas relacionadas a terra: Dríades, Oreiades e Sátiros.
  • Monstros relacionados a terra: Hecatônquiros, Ciclopes, Titãs, etc.
O sopro de Gaia.
  • As ninfas eram espíritos femininos do mundo natural – deusas menores das florestas, rios, nascentes, prados, montanhas e mares. Elas foram as artesãs da beleza selvagem da natureza, desde o cultivo de árvores, flores e arbustos até a criação de animais selvagens e pássaros, e a formação de grutas, nascentes, riachos e pântanos.
  • Todas as ninfas possuem relação com a terra de alguma forma, mas as ninfas com predomínio do elemento terra pertencem aos seguintes grupos:
    • Ninfas das árvores e da floresta – Dríades (árvores no geral), Epigeias (terra e cultivo no geral), Hamadríades ou Hadríades (árvore específica), Melíades ou Meliai (freixo da montanha e abelhas), Melissai (abelhas), Melissas (mel e mistérios eleusinos), Trias (abelhas); Oreiades (montanhas), Antríades (cavernas), Auloníades (pastos), Napeias (vales), Alseídes (bosques), Dafneias (loureiro), Císsias (heras).
    • Ninfas de prado – Bucólicas (rebanhos e pomares no geral), Epimelides (pomares), Perimélides (rebanhos), Limáquides ou Leimonides (prados aquáticos e floridos) e Anthousai (flores).
Uma hamadríade. Artista: John William Waterhouse (1893).
  • Muitas ninfas estavam associadas a um domínio mais amplo – Oreiades eram ninfas das montanhas, Alseides dos bosques sagrados, Aulonides dos vales, Napeias dos vales.
  • Dríades associadas a árvores específicas, em alguns casos, são chamadas de Hamadríades, tendo o nascimento da árvore ligação com a sua existência, assim como a sua morte tem ligação com a morte da árvore. Veja alguns exemplos:
    • As Meliai (Meliae) eram ninfas dos freixos. Eles nasceram quando Gaia foi impregnada pelo sangue do castrado Urano. Eles se casaram com os homens da Idade da Prata – no tempo anterior à criação da primeira mulher – e deles descendeu a humanidade.
    • As Oreíades (Oréades) eram ninfas das coníferas das montanhas. A mais velha delas eram filhas dos cinco Dáctilos e cinco Hecaterides. Gerações subseqüentes foram descendentes desses Oreíades mais velhas e seus irmãos sátiros. Na Grécia antiga, a maioria das florestas estava localizada nas encostas das colinas e montanhas escarpadas, pois a maior parte da floresta de planície havia sido desmatada para a agricultura. Portanto, era natural para os gregos pensar nas Dríades como habitantes das montanhas.
    • As Hamadríades (Hamadríades) eram as ninfas dos carvalhos e choupos. Eles geralmente estavam conectados com árvores ribeirinhas e bosques sagrados.
    • As Maliades, Meliades ou Epimelides eram ninfas de macieiras e outras árvores frutíferas e protetoras de ovelhas. A palavra grega melas – da qual deriva seu nome – significa tanto maçã quanto ovelha.As Daphnaie eram ninfas dos loureiros, uma de uma classe de dríades específicas de árvores mais raras. Outros incluíam o Nymphai Aigeiroi (dos choupos negros), Ampeloi (das videiras), Balanis (do ilex), Karyai (da avelã), Kraneiai (das cerejeiras), Moreai (da amoreira), Pteleai (dos olmos) e Sykei (das figueiras).
Artista: William Bouguereau (1825-1905).
  • Abaixo está uma lista de dríades nomeadas com notas sobre a(s) fonte(s) e possíveis explicações de seus nomes (segundo site Theoi.com):
    • Aigeiros – Hamadríade do choupo negro.
    • Ampelos – Hamadríade da videira brava.
    • Atlanteia – Uma Hamadríade da Líbia que foi mãe de várias das Danaides pelo rei Danaus.
    • Balanis – Uma Hamadríade da árvore bolota, ou ilex.
    • Byblis – Uma garota de Miletos em Karia (Caria) transformada em Hamadryas.
    • Daphnis – Uma Oreiade do Monte Parnassos em Phokis que foi apontada pela deusa Gaia como a profetisa no oráculo de Delphoi – no tempo antes de passar para as mãos de Apolo.
    • Dryope – Uma ninfa Hamadríade do Monte Ótris em Malis. Ela era uma princesa dos Dryopes que foi transformada em uma ninfa de choupo por sua cunhada Hamadríade.
    • Eidothea – Uma Oreiade do Monte Othreis em Malis que era amada pelo deus Poseidon.
    • Echo – Uma ninfa Oreiade do Monte Helicon na Beócia, e uma serva da deusa Hera. Ela foi amaldiçoada a apenas repetir as palavras dos outros por sua amante. Quando ela se apaixonou pelo jovem auto-obcecado Narciso, ele rejeitou seus avanços e ela desapareceu em sua dor.
    • Erato – Uma profética dríade arcadiana Monte Cyllene, a esposa do Rei Nictymus.
    • Heliades – Filhas do deus-sol Hélios, as Heliades foram transformadas em choupos de cor âmbar. Elas provavelmente foram consideradas como um tipo de Hamadríade.
    • Hespérides – As três guardiãs das maçãs douradas às vezes eram considerados como Hamadríade ou ninfas de Hamameliade (macieira).
    • Carya – Uma ninfa Hamadríade da aveleira ou castanheira.
    • Chelone – Uma ninfa Oreiade arcadiana que ignorou a convocação para assistir ao casamento de Zeus e Hera e como punição foi transformada em uma tartaruga.
    • Claea – Uma ninfa Oreiade da Messênia que tinha um santuário de caverna no Monte Calathium.
    • Crania – Uma ninfa Hamadríade da cerejeira.
    • Cyllene – Uma Oreiade arcadiana que era o epônimo do Monte Cyllene na Arcádia. Ela era a esposa de Pelasgos, o primeiro rei da Arcádia.
    • Morea – Uma Hamadríade da amoreira.
    • Nomia – Uma Oreiade do Monte Nomia na Arcádia.
    • Othreis – Uma Oreiade do Monte Ótris em Malis. Ela era amada pelos deuses Apolo e Zeus.
    • Penelope – Uma ninfa Oreiade ou Epimelide do Monte Cylene na Arcádia. Ela era a mãe do deus Pan por Hermes.
    • Phigalia – Uma ninfa Oreiade que deu seu nome à cidade Arkadian de Phigalia.
    • Phoebe – Uma ninfa Hamadríade da Líbia que foi mãe de várias das Danaides pelo rei Danaus.
    • Pitys – Uma ninfa Oreíade amada por Pan. Ela fugiu de seus avanços e se transformou em um pinheiro.
    • Ptelea – Uma Hamadríade do olmo.
    • Sinoe – Uma ninfa Oreiade do Monte Sinoe em Arkadia. Ela amamentou o bebê deus Pan.
    • Sose – Uma profetisa ninfa Oreida amada pelo deus Hermes. Ela lhe deu um dos Paines.
    • Sphragitides – As ninfas Oreiade de um oráculo de caverna localizado no Monte Cithaeron em Ática.
    • Syce – Uma ninfa Hamadríade da figueira.
    • Tithorea – Uma dríade Arkadian que deu seu nome à cidade de Tithorea.
Ninfas e Sátiro (francês: Nymphes et un satyre). Artista: William-Adolphe Bouguereau (1873).
  • Os Sátiros (do grego Σατυρος Σατυροι, do latim Fauno) eram espíritos rústicos da fertilidade do campo e da selva. Eles se relacionavam com as ninfas (ninfas) e eram companheiros dos deuses  Dionísio, Hermes, Hefesto, Pan, Rhea-Cibele e Gaia.
  • Os Sátiros eram retratados como homens animalescos com orelhas de asno, narizes arrebitados, cabelos reclinados, caudas de cavalos e pênis eretos. Como companheiros de Dionísio, eles geralmente eram mostrados bebendo, dançando, tocando flautas e se divertindo com as Ménades.
  • Atores vestidos como sátiros formavam os coros das chamadas peças satíricas que eram representadas nos festivais do deus Dionísio.
  • Alguns dos tipos mais específicos de Sátiros eram:
    • Panes (sátiros com pernas de bode); 
    • Silenos (sátiros idosos);
    • Satyrisci (sátiros infantis); e
    • Tityroi (sátiros tocadores de flauta).
Um sátiro dança o hekateris , uma dança rústica de chute alto. A criatura é retratada com orelhas e rabo de cavalo ou burro, nariz achatado, careca e barba espessa. Hesíodo nomeia o pai dos sátiros Hecaterus após a dança. Museu Britânico, Londres (cerca de 500 a 470 AEC).

II) Nascimento e morte

  • De maneira geral, os povos antigos tinham uma forte ligação com a terra. Eles eram nômades, ficavam em um local apenas enquanto estava produzindo e depois mudavam de região. Além disso, eles não percebiam a participação dos homens na fecundidade. Isso levou a associação direta das mulheres e a terra no processo de geração de vida. O fechamento desse ciclo era a realização de ritos funerários que envolviam o enterrar na terra. Portanto, a terra gera vida e também recebe a morte.
  • Muitos epítetos são relacionados ao nascimento e são títulos de muitas divindades como: Biodotis (grego βιοδῶτις, ΒΙΟΔΩΤΙΣ. doadora da vida, vivificante) e Kourotróphos (grego κουροτρόφος, criadora de crianças, educador de crianças, enfermeira dos jovens);
  • Deuses relacionadas ao parto: Ilítia, Hécate, Hera, Leto, Ártemis, Afrodite, etc.
O nascimento de Apolo e Ártemis. Artista: Marcantonio Franceschini (cerca de 1692-1709). Liechtenstein Museum.
  • Os deuses da terra como um todo são relacionados a morte, mas também existem deuses encarregados pelo transporte das almas para o submundo, sendo chamados de psicopompos. No panteão helênico existem divindades relacionadas a cada tipo de morte, sendo violenta ou não.
  • Deuses relacionadas a morte: Hécate, Hermes, Perséfone, Hades, Erínias, Thanatos, Macária, Keres, Caronte, Moros, etc.
Anjo da Morte. Artista: Evelyn De Morgan.

III) Estações do ano e agricultura

  • Quando a sociedade helênica começou a formar cidades-estado após o desenvolvimento da agricultura, a relação com a terra começou a ser domesticada. Com isso, muitas divindades passaram a ter domínio sobre o ato de plantar, ciclo agrário e ter prosperidade a partir da terra.
  • A agricultura era associada com a lei, a ordem e o destino, sendo refletida nas divindades que eram regentes e recebiam sacrifícios para obtenção de boas colheitas.
  • Existiam deuses associados diretamente a um tipo de cultura como o trigo e milho para Deméter e as uvas para Dioniso.
  • O calendário cívico helênico incluíam muitas festividades relacionadas a colheita como: os Mistérios Elêusis, Skira, Tesmofória, Proerosía e Pyanépsia. 
  • Deusas relacionadas com as estações e ciclos agrários: Têmis, Deméter, Afrodite, Perséfone, Flora, Pluto, Triptólemo, Hades, Dioniso e Zeus.
  • Ninfas e daemones: Horas, Moiras, Graças e Daimones Khryseoi
Colheita do trigo.
  • As Horai, Horae ou Horas (do grego Ὡρα Ὡραι) eram as deusas das estações e as porções naturais do tempo. Elas presidiam as revoluções das constelações celestiais pelas quais o ano era medido, enquanto suas três irmãs, as Moirae (Moirae) teciam a teia do destino. As Horai também guardavam os portões do Olimpo e reuniam as estrelas e constelações do céu.
  • As Horai foram particularmente homenageadas pelos agricultores que plantaram e cuidaram de suas colheitas no tempo com o nascer e o pôr das estrelas – medidas das estações que passam. 
  • As três deusas representavam individualmente as condições necessárias para a prosperidade agrícola. Elas eram geralmente chamadas de deusas:
    • Eunomia (Boa Ordem, Bom Pasto);
    • Eirene (Paz, Primavera);
    • Dike (Justiça);
  • As Horai às vezes personificava as quatro estações – Primavera (Eiar), Verão (Theros), Outono (Phthinoporon) e Inverno (Kheimon). Como tal, elas foram descritas como filhas do deus-sol Hélios, que guiou o caminho de seu pai pelos céus e supervisionou o florescimento e a frutificação da terra.
  • Outro conjunto de Horai personificava as doze horas do dia.
As Horae, personificações das quatro estações, são retratadas como donzelas aladas coroadas com coroas de flores. O inverno (em cima) tem uma coroa de juncos, as flores na primavera (no centro à esquerda), o trigo no verão (no centro à direita) e as uvas no outono (embaixo). Museu Jamahiriya, Trípoli.
  • Os daemones Khryseoi (daemones dourados) eram trinta mil espíritos do ar que vigiavam a humanidade e recompensavam os justos com generosidade agrícola. Eles nasceram como a virtuosa raça dourada da humanidade no tempo de Cronus e depois de suas mortes foram transformados em daimones benéficos. 
  • Eles eram superiores aos Daimones Argeoi (espíritos prateados) – os primeiros ocupavam o ar enquanto os últimos habitavam a terra.
Alegoria do Verão. Franz Bohumil Doubek (1865-1952).
Video: Trigo e agricultura na Grécia Antiga.

IV) Rebanhos

  • Na Grécia Antiga, a criação de gado era parte integrante da economia. Tanto na economia grega quanto na romana da antiguidade, o gado era visto como um determinante da riqueza, e os rebanhos muitas vezes serviam como dote em certos cenários de casamento arranjado. 
  • As obras de Homero descrevem a criação de animais e o manejo do gado como algo praticado pelos ricos e poderosos, com os rebanhos maiores geralmente pertencentes a homens respeitáveis ​​e de status mais elevado. 
  • Os bovinos eram animais versáteis valorizados como animais de carga, bem como fontes de leite,  couro e carne. Ovelhas e cabras também eram criados como fontes de proteína, mas eram valorizados principalmente por seus produtos lácteos, incluindo queijo feta e cabra, bem como sua lã. Ovinos e caprinos também foram valorizados como “cortadores de grama” naturais, sendo capazes de digerir muitas ervas daninhas e plantas perenes que são tóxicas ou intragáveis ​​para outros animais ungulados. Os animais também estariam adubando o solo (com seus excrementos) no processo e arejando o solo com os cascos, preparando assim uma área para o plantio.
  • Juntamente com ovelhas e cereais, outros animais, como cabras e porcos , eram partes cruciais da culinária grega antiga. Os cavalos eram considerados um animal luxuoso e um símbolo de riqueza e poder. Cavalos, mulas, bois, camelos e elefantes eram todos usados ​​como animais de trabalho na Roma e na Grécia antigas. 
  • Deuses diretamente relacionados com o cuidado de rebanhos: Pan, Hermes, Dioniso e Sátiros.
Pittore di kleophon, cratera com procissões para Delfos Apolo e Éfeso no Olimpo, 430 AEC.
  • Devido ao grande valor dos rebanhos, eles também eram sacrificados para divindades em uma atividade chamada de holocausto, onde a carne era parcialmente ou totalmente queimada para honrar divindades.

V) Oráculos

  • Muitos oráculos gregos são posicionados dentro de cavernas ou influenciados por gases liberados da terra. Isso mostra um contato íntimo com a terra e a profecia.
  • A deusa Gaia, a grande mãe primordial da terra, foi a primeira profetisa ao prever que seu filho e consorte Uranos seria destronado por um de seus filhos. A deusa Gaia também é mãe da serpente Píton que guarda o oráculo de Delfos. Esse oráculo teria sido reivindicado pelo deus Apolo após matar a serpente com suas flechas para vingar a sua mãe Leto que teria sido perseguida pela serpente durante sua gestação. A deusa Gaia teria ficado irada com sua filha morta, e em homenagem as sacerdotisas do oráculo passaram a se chamar de pitonisas.
Sacerdotisa de Delfos (1891).
Artista: John Collier (1850–1934).
  • Além do oráculo de Delfos, um dos mais famosos da Grécia, existem muitos oráculos espalhados por toda a Grécia que eram dedicados a contatos com o submundo e a necromancia, chamados de Neromanteion, normalmente eles eram dentro de cavernas. Exemplos são: Necromanteion de Aqueronte, Ploutonion de Elêusis, Oráculo de Trofônio na Beócia e Ploutonion de Hierápolis na Turquia.

VI) Cidades e guerras

  • A sociedade helênica era organizada em cidades-estado, as pólis. Cada cidade-estado tem sua independência política e os costumes de cultos e mitologia poderiam variar de forma independente.
  • Para o heleno, a sua cidade-estado tinha um valor muito grande. O nacionalismo era muito estimulado, as pessoas tinham nomes associados a sua cidade de origem (ex.: Tales de Mileto) e o heroísmo para proteção de seus territórios contra invasões e monstros é presente em muitos mitos fundadores. Com isso, muitos ritos funerários eram feitos sobre as sepulturas de seus heróis.
  • Existiam também os deuses políades que eram divindades que tinham uma pólis como sua protegida.
  • Por todos esses motivos, os helenos formavam uma simbiose com a terra onde nasceram, porque ela era singular e tinham templos e locais sagrados únicos.
  • O principal fator de união entre na Hélade era falar a língua grega, eventos esportivos e ter um intercâmbio geral de divindades.
  • Deuses relacionados às cidades, ruas e comércio: Héstia, Hermes, Hécate, Apolo, Hélios, etc.
  • Deuses e daemones relacionados a guerras: Ares, Afrodite, Éris, Fobos, Deimos, Harmonia, Keres, Phonoi, Hysminai, Makhai, Androktasiai, etc.
  • Deuses relacionados aos esportes: Zeus, Apolo, Hermes, etc.
  • Heróis: Héracles, Jasão, Aquiles, Teseu, Triptôlemo, Éaco, Radamanto, Minos, Asclépio, Trofônio, etc.
Jovem guerreiro de capacete, chamado Ares. Cópia romana de um original grego – esta é uma réplica em gesso, o original está agora armazenado no Museu da Villa Adriana.
  • Muitas guerras foram registradas no período da Grécia Antiga, entre elas:
    • Guerra de Tróia – Narrada por Homero no livro Ilíada, teria sido um conflito militar entre gregos e troianos entre entre os séculos XIII e XII AEC. 
    • Guerra da Messênia – A primeira guerra ocorreu cerca de 720 a 735 AEC e a segunda ocorreceu cerca de 650-620 AEC. A guerra travada na Messênia, em duas etapas, provocou mudanças sensíveis na estrutura econômica, social e política de Esparta, por causa do grande número de escravos, que passaram a constituir uma ameaça permanente para os espartanos.
    • Guerra do Peloponeso – Foi um conflito militar entre os gregos espartanos (Liga do Peloponeso) e os gregos atenienses (Liga de Delos). Ocorreu entre 431 AEC e 404 AEC.
A Guerra do Peloponeso foi um dos maiores conflitos militares da história da humanidade.
  • As diferentes competições esportivas também eram formas de honrar suas cidades e deuses, tendo origens desde a Creta minóica. De maneira geral, eram chamados de Jogos Pan-Helênicos porque reuniam participantes de várias regiões da Grécia Antiga. Eles foram interrompidos em 393 EC Teodósio I tornou o culto pagão crime. Entre os jogos realizados estão:
    • Jogos Olímpicos ou Olimpíadas – Ocorreram na cidade de Olímpia em homenagem a Zeus, desde 776 AEC. O prêmio era uma coroa de oliveira (kotinos) e ocorria a cada 4 anos.
    • Jogos Píticos – Ocorreram na cidade de Delfos em homenagem a Apolo, ocorreram cerca do século VI AEC. O prêmio era uma coroa de louros (grinalda) e ocorria 2 anos após os Jogos Olímpicos, também a cada 4 anos.
    • Jogos Nemeus – Ocorreram na cidade de Nemeia em Corinto em honra a Zeus e Héracles, desde 573 AEC devido a vitória de Héracles sobre o leão da Nemeia, um dos 12 trabalhos. O prêmio era um aipo selvagem e ocorria a cada 2 anos.
    • Jogos Ístmicos – Ocorreram na cidade de Istmia no Sicião em honra a Posídon a cada 2 anos e o prêmio era uma pinha.
Os jogos olímpicos modernos tiveram origem nas práticas da Grécia Antiga.
Vídeo: Olimpíadas na Grécia Antiga.

VI) Submundo

  • O mundo para os gregos era formado pelo mundo superior, mundo da superfície e o mundo inferior. O planeta como um todo é a personificação da deusa Gaia. O mundo superior seria onde os deuses uranianos vivem no Olimpo. O mundo da superfície é onde os seres vivos passam sua vida. Já o mundo inferior é onde os mortos são encaminhados após a morte e os deuses ctônicos vivem. Como foi dito anteriormente, a morte também é diretamente conectada a terra.
  • Deuses ligados diretamente com o mundo inferior: Tártaro, Nyx, Érebo, Cronos, Hades, Perséfone, Hermes, Hécate, Dioniso, Ciclopes, Hecatônquiros, Titãs, etc.;
  • Daemones ligados ao mundo inferior: Amphiaraus, Ceutonimo, Empusa, Epiales, Eurinomus, Trofônio, cacodaemones, etc.;
  • Criaturas míticas ligadas diretamente com o mundo inferior: Cérberos.
Representação mitológica do mundo segundo os helenos.
  • Aberturas que levam da superfície para o mundo inferior além de serem consideradas lugares para oráculos de necromancia, também eram caminhos para conexões com deuses ctônicos. Nesse caso são incluídos poços e cavernas para depósito de oferendas. As cavernas eram consideras as aberturas do útero de Gaia e o deus primordial Tártaro personifica o poço tempestuoso que fica nas fundações da terra. Por conta disso, animais associados a esses ambientes são considerados animais sob domínio de deuses ctônicos como abelhas e serpentes.
  • Os terremotos são tremores causados por movimentações das placas tectônicas. Para os gregos, o deus Posídon (do grego Ποσειδων, senhor da terra) tinha o domínio dos terremotos, inclusive tem o epíteto Ennosigaeus, o “Treme-terra”.
  • O Mar Egeu e a área circundante são sismicamente ativos devido à zona de convergência helênica, bem como à extensão da Placa do Egeu. A placa africana está afundando (subduzindo) sob a placa do Egeu a uma taxa de cerca de 40 mm/ano, causando terremotos rasos perto da falha e terremotos mais profundos perto do arco vulcânico grego. Alguma atividade sísmica é resultado da extensão da placa, que cria falhas de tendência leste-oeste que podem deslizar e causar terremotos.
Mapa das placas tectônicas da Terra.
Movimento das placas tectônicas.
  • A Placa do Mar Egeu (também chamada de Placa Helênica ou Placa do Egeu) é uma pequena placa tectônica localizada no leste do Mar Mediterrâneo, no sul da Grécia e no oeste da Turquia. Sua borda sul é a zona de subducção helênica ao sul de Creta , onde a placa africana está sendo varrida sob a placa do mar Egeu. Sua margem norte é um limite divergente com a placa da Eurásia.
  • O fundo do mar nesta região está a cerca de 350 m abaixo do nível do mar, enquanto os adjacentes Mar Negro e Mediterrâneo têm 1300–1500 m de profundidade. Por isso é considerado um planalto entre os mares. Evidências sugerem que a Placa Egeia contém crosta continental afinada, em vez de crosta oceânica. Desde a sua criação, a crosta foi afinada por vários processos, incluindo colapso pós-orogênico e extensão crustal. Essa extensão é responsável pela formação do Golfo de Corinto.
Mapa das placas tectônicas do Mar Egeu.
  • Alguns pesquisadores argumentam que a ilha perdida de Atlântida, retratada por Platão, era a ilha de Thera, hoje em dia conhecida como a ilha grega de Santorini. Ela teria sido destruída por uma erupção vulcânica. No entanto, descobertas arqueológicas e o geológicas já refutaram essa hipótese. Hoje se discute de Atlântida ter sido localizada no continente americano, Suécia, Mares do Sul (atual Peru), arquipélago de Açores e da Madeira, entre outros lugares. 

Terra: Elemento fundamental

  • Os primeiros filósofos, que ficaram conhecidos como filósofos pré-socráticos. Esses pensadores, buscavam explicar a natureza (physis) através da razão (logos), isto é, sem recorrer aos seres sobrenaturais, como deuses, titãs ou monstros mitológicos. Sua grande tarefa era encontrar, na natureza, o elemento primordial (arché), que teria dado origem a tudo que existe.
  • Xenófanes de Cólofon (do grego clássico: Ξενοφάνης ὁ Κολοφώνιος; cerca 570-475 AEC) foi um filósofo grego, nascido na cidade de Cólofon, na Jônia (atual costa ocidental da Turquia). Cedo deixou sua cidade para levar vida errante na qualidade de rapsodo. Acredita-se que tenha passado algum tempo na Sicília e também em Eleia. Segundo a tradição, Xenófanes teria sido mestre de Parmênides de Eleia. Escreveu unicamente em versos em oposição aos filósofos jônios como Tales de Mileto, Anaximandro de Mileto e Anaxímenes de Mileto.
  • O elemento primordial para Xenófanes é a terra, através do elemento terra desenvolve sua cosmologia. Sua filosofia tinha sua lógica, pois, afinal, tudo o que existe começa na terra e tudo volta para a terra, tanto animais quanto plantas.
Xenófanes de Cólofon.
  • Apesar de tudo, ainda temos aqueles que acreditam que a água seja o começo e questionam o porquê da terra como justificativa, se a maior parte do planeta era feita de água. Tal questão era respondida com a justificação de que o fundo do oceano era feito de terra.

“Pois tudo sai da terra e tudo volta à terra.
Tudo o que nasce e cresce é terra e água.
Nascemos todos da terra e da água.”

Xenófanes (Fragmentos 27, 29, 33).

Bruxaria e a terra

  • Existem alguns símbolos clássicos da terra na bruxaria que podem ser usados em rituais ou em feitiços como: o caldeirão, moedas, ervas e cristais.
  • Os cristais podem ser trabalhados com diferentes intuitos, inclusive com outros elementos além da terra, mas em essência, todos os cristais podem ser representantes do elemento terra e auxiliar no aterramento. Em geral, recomendam cristais de paletas terrosas, verdes e escuras para representar a terra e prosperidade.
  • O herbalismo como um todo é uma boa forma de entrar em contato com a energia dos elementais da terra. Então pode trabalhar com ervas sozinhas sentindo elas, mas também pode trabalhar em associação com água em poções e banhos; ar em incensos e defumações; e com fogo, através da queima direta ao fogo ou vestindo a vela.
  • O trabalho com magia de cozinha é excelente para entrar em contato com a prosperidade da terra. É ótimo para práticas devocionais com o cozimento de oferendas e para feitiços de concretização de objetivos e amarrações.
  • Uma alternativa de trabalhar com a terra é entrando em contato com ela, seja andando descalço, trabalhando com os ancestrais de lugar ou necromancia. Armazenar terra de jarros também é uma forma de armazenar a energia da planta que estava em contato com a terra sem ter que cortar a planta. A mesma proposta é válida para terra ou areia de locais específicos, como praias e cemitérios.
  • Na ritualística normalmente a terra para fazer o círculo mágico, seja com terra mesmo ou cristais. Você também tem a terra em oferendas e sacrifícios. A teimancia, leitura de folhas de chá ou café também é um forma de trabalhar com a terra e a água. Você também pode escolher um jogo como runas, feito em troncos de árvore ou em cristais para se conectar a terra também. A dafnomancia, utilizando folhas de louro também é um método oracular eficiente, assim como os pêndulos de madeira ou cristais, para respostas de sim e não.
  • No tarot, você pode trabalhar com a energia da terra através do naipe de ouros e também arcanos ligados a concretizações (Mago, Carro e Imperador) e prosperidade (Imperatriz).
  • Alerta importante! A extração de cristais da natureza é extremamente danosa para o ecossistema onde acontece, gerando poluição de rios e derrubada de árvores. Além disso, a extração de cristais tem muita relação com trabalho escravo e infantil, além de invasão de terras indígenas. Com isso, evite ao máximo o uso de cristais, adquirindo apenas o que for usar e não apenas como peça decorativa, evitando tamanhos desnecessariamente grandes. Busque fornecedores com selos de qualidade e certificados contra o trabalho exploratório.
Oráculo de runas nórdicas.

Perséfone e a terra

  • A deusa Perséfone é regente de processos cíclicos e ao submundo. A terra passa por transformações anualmente por conta dos movimentos planetários gerando as estações. O Hino Homérico II a Deméter, é o principal mito que fala sobre o surgimento das estações tem relação com a descida de Perséfone ao submundo. Com isso, a presença ou ausência de Perséfone na superfície seria o principal motivo para os ciclos anuais da agricultura.
  • Perséfone tem forte ligação com ninfas dríades relacionadas a flores, ervas aromáticas, narcóticos e abelhas. Você pode pedir seu auxílio ao trabalhar com perfumaria ou herbalismo. Ela também pode te auxiliar com questões de prosperidade e liderança em empregos. Além disso, por ser Rainha do Submundo, é uma excelente aliada em trabalhos com ancestralidade e necromancia.
  • Perceba que Perséfone também tem regência nos outros elementos por meio de outras faces e epítetos. O mesmo vale para outras divindades. O devoto que se aprofunda nos mistérios da divindade consegue ver nuances e complexidades que tornam muito rica as práticas de conexão.
  • Você pode trabalhar com Perséfone e a terra com os epítetos:
    • Adzesia (buscadora, a que faz secar);
    • Anthesphoria (grego Ἀνθεσφόρια, ΑΝΘΕΣΦΟΡΙΑ. etimologia Ἄνθη “flores, flores”, florescente) Derivado de seu festival dela na Sicília de mesmo nome em homenagem ao seu sequestro ao colher flores.
    • Averna (do submundo);
    • Azêsia (frutos secos);
    • Biodotis ou Viodóhtis (grego βιοδῶτις, ΒΙΟΔΩΤΙΣ. Substantivo. Fem. de βιοδώτης e βιοδότης., doadora da vida, vivificante). Hino Órfico 29.3;
    • Chthonia ou Khthónia (grego χθόνια, ΧΘΟΝΙΑ, terrena, protetora dos campos). O termo khthonic refere-se à superfície da terra. Khthonic não se refere ao que está sob a terra que é referido pelo termo ypokhthonic (ὑποχθόνιος). Conseqüentemente, quando se diz que Perséfone reina com Plutão, ela é a Rainha da Terra com toda a sua magnífico frescor dela. Ela é a rainha dos mortais que serão enterrados sob a terra.
    • Karpophoroi ou Karpophoros ou Carpófora (grego καρποφόρα, ΚΑΡΠΟΦΟΡΑ. Etim. καρπός “fruto”, que traz os frutos, frutífera);
    • Kokkoka (dos grãos, das sementes de romã);
    • Kourotróphos ou Courotrophos (grego κουροτρόφος, ΚΟΥΡΟΤΡΟΦΟΣ, criadora de crianças, educador de crianças, enfermeira dos jovens);
    • Melissa (abelha);
    • Melitôdês (doce como mel);
    • Pherseis (a que alimenta);
    • Thesmiê (da lei).
Perséfone como deusa da terra.

Referências

  1. Vernant, J. P. (2006). Mito e religião na Grécia antiga. São Paulo: WMF Martins Fontes.
  2. Eliade, M., & Fernández, L. G. (1981). Lo sagrado y lo profano (Vol. 3). Barcelona: Labor.
  3. Gaia. Disponível em <https://www.theoi.com/Protogenos/Gaia.html> Acessado em 02/08/2023.
  4. Python. Disponível em <https://www.theoi.com/Ther/DrakainaPython.html> Acessado em 02/08/2023.
  5. Dryades & Oreiades. Disponível em <https://www.theoi.com/Nymphe/Dryades.html> Acessado em 02/08/2023.
  6. Satyroi. Disponível em <https://www.theoi.com/Georgikos/Satyroi.html> Acessado em 02/08/2023.
  7. Horai. Disponível em <https://www.theoi.com/Ouranios/Horai.html> Acessado em 02/08/2023.
  8. Daimones Kryseoi. Disponível em <https://www.theoi.com/Georgikos/DaimonesKhryseoi.html> Acessado em 02/08/2023.
  9. Jogos Pan-Helênicos. Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Jogos_Pan-Hel%C3%A9nicos> Acessado em 02/08/2023.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − cinco =

error: O conteúdo é protegido!

Notice: file_put_contents(): Write of 109868 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 86 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 59046 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 572 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 217 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 4063 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 38553 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 102283 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 981 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 999 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 1125 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Notice: file_put_contents(): Write of 8132 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172

Fatal error: Uncaught ErrorException: file_put_contents(): Write of 416 bytes failed with errno=122 Disk quota exceeded in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php:172 Stack trace: #0 [internal function]: litespeed_exception_handler() #1 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php(172): file_put_contents() #2 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/optimize.cls.php(809): LiteSpeed\File::save() #3 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/optimize.cls.php(769): LiteSpeed\Optimize->_build_single_hash_url() #4 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/optimize.cls.php(349): LiteSpeed\Optimize->_src_queue_handler() #5 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/optimize.cls.php(264): LiteSpeed\Optimize->_optimize() #6 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-includes/class-wp-hook.php(324): LiteSpeed\Optimize->finalize() #7 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-includes/plugin.php(205): WP_Hook->apply_filters() #8 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/core.cls.php(477): apply_filters() #9 [internal function]: LiteSpeed\Core->send_headers_force() #10 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-includes/functions.php(5373): ob_end_flush() #11 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-includes/class-wp-hook.php(324): wp_ob_end_flush_all() #12 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-includes/class-wp-hook.php(348): WP_Hook->apply_filters() #13 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-includes/plugin.php(517): WP_Hook->do_action() #14 /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-includes/load.php(1260): do_action() #15 [internal function]: shutdown_action_hook() #16 {main} thrown in /home/u360919147/domains/submundoperiferico.com/public_html/wp-content/plugins/litespeed-cache/src/file.cls.php on line 172