Submundo

Submundo Grego

Introdução

  • Haides (do grego δομος Αιδαο, Domos Haidou, a Casa de Hades), também conhecido como Inferno Grego ou Subterrâneo, é o local para onde as almas das pessoas vão após a morte.
  • Os poetas homéricos ainda não conheciam os Campos Elísios e o Tártaro.
  • Na Ilíada, o lugar é descrito como úmido e mofado nas profundezas da terra. Os mortos passam pelo cão de caça de Hades e Perséfone. As pessoas que não tiveram um sepultamento adequado tinham a permissão de voltar ao mundo dos vivos para pedir ritos funerários apropriados.
  • Na Odisséia, existe uma maior descrição do submundo grego. É mencionado o rio Oceano que circunda a terra, além dos portões do sol e da terra dos sonhos. A terra dos mortos era cercada pelos rios Estige, Cócito e Flegetonte.
  • Hesíodo descreve o reino de Haides na Teogonia. O reino ficava nas extremidades mais distantes da terra plana, além do rio Ocenao e da Terra da Noite. Tártaro era um poço cósmico sob a terra, enquanto Haides era a terra dos mortos na sombria e mais externa borda da terra. Hesíodo também apresenta as Ilhas dos Bem-Aventurados (ou Campos Elísios), que era reservada aos heróis dos grandes mitos.
  • O barqueiro Caronte é citado pela primeira vez no épico perdido da Minyad, conduzindo almas através da Mera Akherosiana em um esquife.
  • A terra dos mortos já foi bastante modificada por órficos, pitagóricos e filósofos. Alguns inclusive inseriram a ideia de ciclo de purgatório e reencarnação

Tesprócia

  • Tesprócia (em grego: Θεσπρωτία; romaniz.: Thesprotía) é uma unidade regional da Grécia antiga, localizada no sudoeste da região do Épiro, perto do mar. Sua capital é a cidade de Hegumenitsa.
  • Em uma versão racionalizada da tentativa por Teseu e Pirítoo de raptar Perséfone, eles não foram ao Hades, mas à Tesprócia, raptar a esposa do rei, que derrotou-os e manteve-os prisioneiros em Cíciro.
  • Segundo Pausânias, foi a visão da Tesprócia que inspirou Homero a descrever o Hades. Na Tesprócia encontrava-se um lago de nome Aquerúsia, e rios de nomes Aqueronte e Cócito.
  • É na Tesprócia que fica localizado o templo de Nekromanteion (grego : Νεκρομαντεῖον, que significa oráculo dos mortos) era um antigo templo grego de necromancia dedicado a Hades e Perséfone. O templo é próximo do encontro do rio Aqueronte, Flegetonte e Cócito.

Regiões do submundo

  • Bosque de Perséfone – região fria, com álamos e salgueiros. O Bosque de Perséfone, a Árvore de Tântalos e os Campos Elísios são os únicos lugares do Submundo onde as plantas podem crescer.
  • Campos de Asfódelos – região para onde iam os neutros, onde os espíritos viviam a existência insossa de uma sombra ou de um fantasma. Não é um lugar de punição, mas não há prazer e a mente fica confusa e indiferente (c/exceção de Tirésias). Para lá vão as crianças e os que foram condenados à morte em uma acusação falsa e aqueles que se suicidaram.
  • Campos Elísios – ou Ilha dos Abençoados, um lugar feliz que tem seu próprio sol e estrelas. As almas dali não podem ser agarradas e são como fantasmas, não muito diferente dos fantasmas dos Campos de Asfódelos. Ali eles se exercitam sobre gramados ou praticam luta corporal amigavelmente nas areias amareladas; alguns dançam e outros cantam ou recitam poemas. Orfeu está ali. Muitos membros da Casa Real de Tróia também. Eles vivem em bosques e se deitam nas margens dos rios e perambulam por planícies luminosas e vales verdejantes. Os Elísios são regidos por Cronos, e ali também vivem os que ainda não nasceram. Estes ficam próximos ao rio Lete (Esquecimento). Eles bebem uma medida da água, os que não tem bom senso bebem mais da medida, e cada um enquanto bebe vai esquecendo todas as coisas. As almas que vão reencarnar bebem do Lete, apagando seus problemas e podendo voltar à existência corporal na terra. Esse desejo estranho (quiçá perverso) pela existência terrena parece ser parte das leis que governam o universo. A humanidade é feita tanto de fogo celestial quanto de barro, então sempre dependem tanto de desejos estúpidos e dores quanto de júbilo. Nem a morte faz-nos deixar de sentir falta de um corpo com todas as maldades que ele encerra. Alguns, porém, ficam no Elísio, sem precisar reencarnar, a fim de recuperar a pureza original, mas a maioria retorna à Terra com as memórias deletadas por beber do Lete.
  • Cuma/Cume – cidade da Campânia, na Itália, onde vivia Sibila.
  • Olmo dos Falsos Sonhos – onde os sonhos vazios se penduram a cada folha. Os espíritos enviavam os falsos sonhos para o mundo acima.
  • Palácio de Hades – onde vivem Hades e Perséfone.
  • Pântano – onde todos os rios se encontram.
  • Planície do Julgamento – Éaco julga quem vem da Europa e Radamentos os Asiáticos, mas Minos tem o privilégio da decisão final. Radamantus governa o Tartaros, castigando os malfeitores e forçando as confissões.
  • Tartaros – tão distante da terra quanto a terra é do céu; reino de Érebro (o qual é pura Escuridão/Trevas). Para lá foram os Titãs que se voltaram contra os deuses, Salmoneus que imitou o trovão/raio de Zeus, Títius que tentou violentar Leto, Íxion e Pirítous que tentaram raptar Perséfone, os Ciclopes e os Hecatoncheires (ou Centímanos: 3 gigantes, cada um com 50 cabeças e 100 mãos). Lá vivia a carcereira Campe, um monstro que Zeus destruiu, e ainda vive Eurínomus, que come as carnes dos cadáveres, deixando só os ossos. Entre os crimes punidos no Tartaros estão os que em vida odiavam seus irmãos, os que golpearam seus pais, os que adoravam fraudar seus clientes, os que mantém sua riqueza para si sem compartilhar (estes são a maioria lá), aqueles que mataram por adultério, os que se envolviam em traição, os que corrompiam a lei e viravam ditadores, os que entravam na cama de suas filhas, e mais um interminável catálogo de crimes, cujas punições inflingidas também eram de uma lista interminável, como girar imensas pedras, rodopiar, sentar na Cadeira da Indiferença/Esquecimento, entre outras coisas. Os de piores crimes ficavam no Tartaros sem nunca emergir. Outros, curáveis, eram atirados lá por um tempo até que as ondas do Cócito e do Flegetonte os lançasse para fora de novo. Então eles eram carregados pelo Aqueronte, onde imploravam àqueles a quem fizeram mal para deixá-los sair. Se as preces deles fossem ouvidas pelos que se irritaram com eles, eles podiam sair e sua doença cessava. Senão, eles voltavam ao Tartaros para começar tudo de novo até convencer aqueles a quem fizeram mal. Os Juízes que lhes impunha essa penalidade.
  • Vale das Lamentações – onde habitam os que foram consumidos por um amor infeliz e, antes da bifurcação, ficam os que foram famosos na guerra.

Rios do submundo

  • Rio Aqueronte (Acheron) – o ‘mau rio’, o pestilento, delimita o limbo.
  • Rio Cócitos (Cocytus) – rio dos gemidos e lamentações, o rio congelado.
  • Rio Eridano (Eridanos) – nunca visto por qualquer mortal.
  • Rio Estige (Styx) – rio das promessas inquebráveis.
  • Rio Flegetonte (Phlegethon) – rio de sangue fervente que tortura os violentos.
  • Rio Lethe (Lethe) – rio do esquecimento, quem bebe dele perde a memória de si mesmo.
  • Rio Oceano (Oceanus) – pai da rio Estige.
Mapa do Submundo.

Deuses do submundo

  • Cronos – O velho rei dos Titãs. Ele foi nomeado rei das ilhas dos bem-aventurados, a casa dos mortos favorecidos, por Zeus depois de libertá-lo da prisão do Tártaro.
  • Dioniso – Deus do vinho, vida e morte.
  • Erebos – O deus primordial das trevas. Como os outros protogenoi, ele era elementar, sendo a substância das trevas, em vez de um deus em forma de homem. Suas brumas cercaram o submundo e encheram as cavidades da terra.
  • Erinieas – As três deusas da vingança e retribuição: Alecto, Megera, Tisífone. Elas foram chamadas do submundo para infligir sofrimento e loucura aos malfeitores, trazer seca e fome às nações e punir as almas dos condenados ao submundo.
  • Hades ou Aidoneus – Sombrio rei do submundo, o governante dos mortos. Ele recebeu esse domínio quando os três filhos de Cronos tiraram a sorte para a divisão do universo.
  • Melinoe – Deusa que lidera os fantasmas do submundo para assombrar a terra. Um lado de seu corpo era preto como o breu e o outro era totalmente branco. Ela era associada a Hécate.
  • Moiras – As três deusas do destino: Átropos, Cloto e Láquesis. As vezes são retratadas como ministras assistentes no trono de Hades.
  • Nyx – A deusa primordial da noite. Ela saiu de sua casa no submundo arrastando suas névoas escuras pelo céu.
  • Perséfone – A deusa rainha do submundo, a governante dos mortos. Ela foi sequestrada para o submundo por Hades para se tornar sua noiva.
  • Tártaro – O deus primordial do poço escuro e tempestuoso que jaz sob as fundações da terra e até mesmo sob o reino de Hades. Ele era um deus em forma de poço e não em forma de homem. Seu reino era a prisão dos antigos deuses Titãs, selado por todos os lados com paredes de bronze e guardados pelos Hecatonquiros de cem mãos.

Psicopompos

  • Caronte – Um daemone que era um barqueiro que recebe uma moeda para atravessar as almas pelo Aqueronte até o Hades. Ele não atravessa quem não foi cremado.
  • Hermes ou Khtonios – O guia dos mortos que levou os fantasmas ao seu local de descanso final no Hades. Ele é o mensageiro dos deuses.
  • Hécate – A deusa da magia, necromancia e dos fantasmas assombrados dos morots. Ela que saiu do submundo com um combio de Lampades com tochas, fantasmas e cães do inferno. Ela era ministra de Perséfone.
  • Hipnos – O deus do sono que habitava em um reino silencioso nas fronteiras do Hades. Ele saiu do submundo com sua mãe Nyx, a noite.
  • Macária – A deusa da morte abençoada ou líder dos mortos abençoados que eram iniciados nos Mistérios de Elêusis. Filha de Hades e Perséfone.
  • Keres – As daemones da morte violenta e doença. Eles presidiam a carnificina do campo de batalha, conduzindo as almas dos mortos e libertando as almas dos moribundos.
  • Moros – Os daemones da morte predestinada.
  • Morpheu – O daemone que lidera os oneiros.
  • Oneiro ou Oneiroi – São os daemones dos sonhos. Eles saem do submundo a noite por um dos portões. Aqueles que passam pelo portão de chifre, trazem sonhos falsos e mentirosos, enquanto aqueles que passam pelo portão de marfim, eram mensageiros da verdade.
  • Thanatos – O daemon alado da morte não-violenta. Ele era ministro de Hades.

Daemones do submundo

  • Amphiaraus – O profético Daemon de um oráculo subterrâneo em Oropus na Beócia.
  • Arai ou Arae – O Daemone das maldições.
  • Ascalapus – Um Daemon do submundo que cuidava dos pomares de Hades. Ele foi transformado em uma coruja por Deméter como punição por relatar que Perséfone havia provado a semente de romã.
  • Cacodaemones – Espíritos malignos que saíram do submundo para causar danos.
  • Ceutonimo – Um misterioso Daemon do submundo. Ele era o pai de Hades pecuarista Menoetes.
  • Empusa ou Empousa – Um monstruoso Daemon do submundo com cabelo flamejante, a perna de uma cabra e uma perna de bronze. Ela era o bicho-papão da fábula grega.
  • Epiales – Daemon dos pesadelos. Ele estava relacionado com os oneiros (espíritos dos sonhos).
  • Eurinomus – Um Daemon que tira a carne dos cadáveres. Ele foi descrito com a pele preto-azulada e possivelmente foi imaginado com a cabeça de um abutre.
  • Lamiae ou Lamiai – Daimones do cortejo de Hécate. Eram monstros vampíricos que assumiam a forma de belas mulheres para seduzir e devorar os rapazes. 
  • Menoetes ou Menoites – Um Daemone que pastoreava o gado de pele negra de Hades. Ele lutou com Heracles que quebrou suas costelas.
  • Mormoliceia – Daemones do cortejo de Hécate. Eles eram semelhantes aos Lamiae.
  • Trofônio – O Daemon do oráculo subterrâneo de Lebadea na Beócia.

Habitantes do submundo

  • Cérbero – cão de caça com voz de bronze e rabo de dragão, que come carne crua e tem 50 cabeças (ou 3 cabeças de cão e várias de cobra nas costas).
  • Circe – feiticeira que morava em uma ilha, onde Odisseus permaneceu com os argonautas antes de ser ajudado por ela.
  • Daeira – Ninfa do submundo e companheira de Perséfone. Ela estava ligada aos mistérios de Elêusis.
  • Danaides – filhas de Danaus, as 50 esposas e primas dos 50 filhos de Egiptus. Danaus não gosta da idéia do casamento que seu irmão Egiptus propôs, então diz às filhas para matar os maridos na noite de núpcias com alfinetes envenenados enfiados no coração deles. Todas o fazem, exceto por uma que se apaixonou pelo marido e fugiu com ele. Esta depois da morte foi para o Elísio, mas as outras foram forçadas a carregar água em peneiras até o Lete para uma banheira a qual – quando cheia, o que nunca acontecia – seria usada para limpar seus delitos.
  • Eacos – ex-rei de Egina. Um dos juízes do submundo.
  • Gorgira – Uma ninfa do submundo que era esposa do Rio-Deus Aqueronte.
  • Íxion – Criatura horrenda que tenta se casar com uma jovem mulher e só consegue quando incinera os pais dela. Os deuses, vendo isso, o convidam a um jantar no Olimpo para ver se ele era mesmo malvado ou apenas burro. Mas aí ele tenta seduzir Hera, e Zeus manda as Fúrias o perseguirem dizendo “lembre-se de sua obrigação com seus anfitriões”. A punição dele no Submundo foi a de ficar girando eternamente em uma roda flamejante.
  • Lâmpadas – Ninfas do submundo com tochas no cortejo de Hécate. Ela teria guiado os espíritos dos mortos abençoados e iniciados nos Mistérios de Elêusis ao local de descanso final nos Campos Elísios.
  • Leuce – Ninfa raptada por Hades para os campos de Elêusis onde foi transformada em um álamo branco.
  • Menta – Uma ninfa do submundo amada pelo deus Hades. Ela foi transformada em pó por Perséfone ou em uma erva por Deméter. O seu perfume foi dado por Hades.
  • Minos –  ex-rei de Creta. Um dos juízes do submundo. 
  • Orfine – Uma ninfa do submundo, esposa do Deus-rio Aqueronte.
  • Os vivos – Er, Odisseu, Enéias, Héracles, Teseu, foram ao Hades e voltaram vivos. Nenhum gostou muito do que viu. Aquiles já dizia: “Prefiro ser servo dos vivos do que senhor dos mortos”.
  • Radamanto – irmão de Minos, um dos juízes do submundo.
  • Sibila – bruxa/profetisa que diz a Virgílio para ir ao Reino dos Mortos, onde ele reencontra seu pai Anquises, o qual lhe revela o porvir, mostrando os futuros homens que imortalizarão o nome de Roma.
  • Sísifo – rei de Corinto, tentou enganar a morte indo para o Submundo sem moeda nem funeral, pedindo então para ser mandado de volta. Depois de morrer de velho, Hades deu um jeito de ele não conseguir se libertar de novo: forçou-o a empurrar uma pesada rocha arredondada por uma colina. Quando ele quase chega ao topo, ela rola para baixo novamente e ele tem que começar tudo de novo, ficando eternamente nessa tarefa.
  • Tântalos – chamou os deuses para um banquete mas não achava nada que lhes fosse digno, então serviu o próprio filho Pelops, seu bem mais precioso. Os deuses ficaram horrorizados, Atena trouxe Pelops de volta à vida e os deuses mataram Tantalos. Como punição, ele foi colocado em uma poça com uma árvore cheia de frutos suculentos penduradas sobre ele. Assim ele pena com insaciáveis e extremas sede e fome, pois, quando ele alcança um fruto, a árvore balança para fora do alcance dele e, quando ele se curva para beber da água da poça, ela se move para longe também.
  • Tirésias – adivinho cego de Tebas, o mais famoso profeta da Grécia Antiga. Uns dizem que ele foi cego por ver Atena nua. Outros dizem que Tirésias estava caminhando quando viu duas cobras copulando; ele se sentou e observou por horas, até que elas o notaram e o atacaram; ele matou a fêmea e ela o transformou em mulher, virando prostituta por sete anos; depois o episódio se repetiu, desta vez matando o macho, e ele voltou a ser homem; Zeus e Hera o consultaram querendo saber qual dos sexos tinha mais prazer, já que ele tinha experimentado os dois; Hera achava que os homens desfrutavam mais do sexo, Zeus dizia o oposto; Tirésias disse que, se pudesse medir o prazer sexual em uma escala de 1 a 10, os homens ficariam no 1 e as mulheres no 9; isso teria irritado tanto Hera que ela o cegou, mas Zeus lhe deu a visão interior (sabedoria e capacidade de prever o futuro), e extendeu sua vida com sete gerações. Foi a sombra dele morto que Odisseus consultou.
  • Tisífone – com seu manto sangrento, guarda o Tartaros dia e noite, sem dormir. Ela agride os culpados e os acoita e os ameaça segurando nervosas cobras na mão esquerda.

Referências

  1. Oliveira, Alexandra. Transições. Disponível em <https://www.helenos.com.br/transicoes> Acessado em 03/04/2022.
  2. Haides. Disponível em <https://www.theoi.com/Kosmos/Haides.html> Acessado em 03/04/2022.
  3. Necromanteion of Acheron. Disponível em <https://en.wikipedia.org/wiki/Necromanteion_of_Acheron> Acessado em 03/04/2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 12 =

error: O conteúdo é protegido!