Bruxaria devocional,  Casa da bruxa,  Conceitos básicos

Altar

Significado

  • O altar é um espaço dedicado para o sagrado.
  • O primeiro altar que você deve se preocupar é o seu corpo. Ele é a sua materialização nesse plano. Nele você encontra todos os elementos da natureza, ele é a morada para os deuses. Sem o seu corpo, nenhuma magia acontece. Por isso, cuide-se sempre. Use os seus dedos como varinhas, a sua voz como música, os seus fluidos como água consagradora, as batidas do seu coração como tambor.
  • O segundo altar mais importante é a sua casa. Coloque sigilos, plantas e cristais para proteger a sua casa com o mesmo intuito do círculo mágico. Realize limpezas energéticas. Espalhe representações dos elementais e de divindades. Cuide do lugar onde você e sua família vivem como demonstração de como são sagrados.
  • Você não precisa de instrumentos físicos para fazer magia. Eles são apenas facilitadores porque somos seres muito visuais e recorremos a eles como auxílios para o fluir da nossa energia mágica. De nada adianta ter todos os instrumentos se você não está entregue. Os deuses não precisam de instrumentos e oferendas. Eles se alegram com a energia que entregamos a eles diariamente.

Paradigma religioso

  • Querendo fazer um altar, você precisa entender que cada paradigma religioso já orienta para uma forma de organização do seu altar. Alguns caminhos exigem mais instrumentos e uma organização rígida, enquanto outros caminhos flexibilizam mais a escolha do altar.
  • Uma vez escolhido e estudado o paradigma que irá seguir, você precisa saber onde irá fazer o seu altar. Muitas pessoas compartilham a casa com pessoas intolerantes e precisa ter sua prática religiosa discreta, com isso, pense nos elementos considerando se precisa ser algo imperceptível ou se pode ter mais liberdade na escolha do local e dos itens.

I) Altar na Wicca

  • O altar na Wicca e na Bruxaria Moderna, de maneira geral, inclui representações feminino (Deusa, vela prateada, lua, caldeirão, sal), do masculino (Deus, leva dourada, sol, athame, varinha, incensos) e os quatro elementos.

II) Altar no Politeísmo Helênico

  • Na Grécia Antiga, os altares eram locais para serem realizados sacrifícios e libações aos deuses.
  • Os gregos antigos possuíam duas grandes classes de altares em relação a localização:
    • Altar doméstico no pátio da casa;
    • Altar público na parte externa dos templos.
  • Os altares na Grécia Antiga também poderiam ser classificados em relação aos deuses que eram honrados nesses altares, sendo eles deuses olimpianos ou deuses ctônicos:
    • Altar Olimpiano – Chamados de ‘bômos’ (βωμός), em geral cubos isolados de cerca de 1 m de altura, apesar de existirem de tamanho maior. Os altares de sacrifícios eram quadrados ou redondos e muitos tinham um “epipuron” (ἐπίπυρον) ou tinha uma reentrância no topo para queimar as oferendas de animais. Altares improvisados ​​para as divindades ourânicas eram feitos de terra, turfa ou pedras coletadas no local. O que importava era que a oferta fosse sacrificada no alto, acima do chão.
    • Altar Ctônico – Chamados de “eschára” (ἐσχάρα), eram altares próximos do chão. Também existiam poços de oferendas chamados “bothros” (βόθρος). Em alguns casos também usavam um epipuron.
  • Também existem representações de altares portáteis chamados de Epipuron (ἐπίπυρον) que era uma panela ou braseiro móvel, usado em cima de um bômos para servir de altar para holocaustos. Poderiam ter três pés e eram feitos de metais preciosos. Eles poderiam ser usados sem o bômos no culto doméstico em casas que não tinham lareira.
  • O altar doméstico no reconstrucionismo helênico inclui uma vela para Héstia, itens para libação, itens para o khernips, estátuas dos deuses de culto, incensos e oferendas.
  • Em alguns casos pode ocorrer holocaustos no altar.
  • A maior variação no altar helênico tem relação com as divindades cultuadas serem urânias ou ctônicas.

III) Altar no Politeísmo Romano

  • O altar doméstico no politeísmo romano é chamado de Lararium. Sabe-se que a Itália teve influência e sincretismo com religiões de diferentes povos, entre eles, os etruscos, cristãos e gregos.
  • Trouxe o altar romano aqui porque acabam sendo muito confundidos com o altar grego. Eles possuem influência grega, mas ainda tem suas particulares.
  • Os romanos tinham um culto aos Lares Familiares que são divindades domésticas guardiãs e divindades tutelares na antiga religião romana. Agathos Daimon é uma serpente associada a fertilidade e sorte da casa.

Alternativas

  • O seu altar pode ser fixo ou móvel. Um altar fixo está sempre montado, ele é limpo e visitado periodicamente. Um altar móvel é montado apenas quando alguma prática mágica será feita. A escolha depende de você. Muitas pessoas que precisam ser discretas na sua prática preferem ter um altar móvel para evitar constrangimentos com as pessoas que convive.
  • Energético
    • Caso não tenha condições de adquirir instrumentos ou estar com os seus instrumentos no momento. Você pode construir um altar energético através de técnicas de visualização e mentalização.
  • Desenho
    • O seu altar pode ser um desenho em um caderno ou moldura. Inclua nesse desenho todos os elementos que julgar necessários. Quando for ritualizar, coloque o desenho diante de ti.
  • Caixa
    • Caso não possa deixar o seu altar fixo, guarde os elementos em uma caixa e aproveite ela como suporte para seu altar.
  • Mobília
    • Caso você tenha uma mesinha, espaço em uma prateleira ou possa adquirir uma cômoda ou rack para montar o seu altar, é uma ótima forma de ter um altar. Ele pode ser mantido montado ou pode ser remontado a cada ritual ou feitiço.
  • Versão compacta
    • Se você quer viajar e levar consigo o seu altar. Você pode reunir elementos essenciais em uma caixa de metal pequena ou em uma bolsa pequena para levar contigo na mala.

Instrumentos

  • Representações dos elementos e elementais
    • Ar: Cor amarela e azul claro, instrumentos de sopro, incensos, perfumes, penas, athame*, etc.
    • Água: Cor azul escuro, cálice, conchas, etc.
    • Fogo: Cor vermelha, velas, salamandras, etc.
    • Terra: Cor verde e marrom, plantas, cristais, etc.
  • Representações de divindades
    • Estude os mitos das divindades que você quer trabalhar e entenda quais são as energias que se aproximam dela. Então pode incluir estátuas ou desenhos, oferendas e elementos que transmitam a energia da divindade.
  • Itens pessoais
    • Fotos de lugares ou pessoas que te inspiram;
    • Fotos ou itens de ancestrais;
    • Amuletos;
  • Itens do seu paradigma religioso
    • No reconstrucionismo helênico, é comum ter uma vela para Héstia, itens para fazer uma libação e itens para a água lustral.
    • Na bruxaria, é comum ter um caldeirão, representação do sagrado feminino e masculino, pentagrama, itens para os feitiços e representações dos quatro elementos.

Disposições

  • Você pode ter um altar com elementos dispostos de uma maneira específica. Essa maneira pode ser determinada pelo grupo de magia que você faz parte ou simplesmente uma escolha por fins de organização. Aqui coloco algumas opções, mas sinta-se a vontade para juntar métodos ou criar o seu estilo próprio. O sagrado tem que ter sentido para você.
  • Pontos cardeais
    • Norte: Elemento terra – feminino;
    • Sul: Elemento fogo – masculino;
    • Leste: Elemento ar – masculino;
    • Oeste: Elemento água – feminino.
  • Feminino – Masculino
    • Esquerda elementos femininos (Deusas, lua, elementos terra e água);
    • Direita elementos masculinos (Deuses, sol, elementos ar e fogo);
    • Essa concepção leva em conta uma diferença de distribuição entre as energias femininas e masculinas nas criaturas e deuses.
  • Sagrado masculino ou Sagrado feminino
    • Na minha concepção todas as criaturas, espíritos e divindades são formadas pelo complemento das energias do feminino e do masculino. No entanto, elas podem estar em posições do espectro diferentes, ou seja, expressam mais a energia feminina ou masculina. Em alguns casos pode estar no centro desse espectro tendo maior equilíbrio.
    • Alguns praticantes preferem montar seus altares de acordo com a energia que a divindade do seu culto mais expressa, ou a energia que o praticante precisa equilibrar em si no momento, ou ainda, a energia do ciclo natural. Com isso, podem ter altares inteiros mais voltados para o Sagrado masculino ou Sagrado feminino.
  • Urânio – Ctônio
    • De um lado você coloca elementos e símbolos de divindades urânias e do outro lado elementos e símbolos de divindades ctônias. No centro você coloca os elementos e símbolos de divindades psicopompas.
  • Intuitivo
    • Você pode ter um altar montado especialmente para cada ritual sem nenhum padrão pré-estabelecido. Os elementos são dispostos de acordo com sua intuição.
  • Tradicional
    • Você teria um altar de acordo com uma tradição, seguindo as regras de disposição e itens do grupo a qual está se inspirando ou participando.

Devocional

  • Na minha prática pessoal, eu sigo a bruxaria moderna, mas utilizo de muitos elementos do helenismo, apesar de não ser reconstrucionista.
  • Eu tenho três altares maiores no momento:
    • Um é no meu escritório, um local mais privado onde concentro meus instrumentos mágicos;
    • Outro é na cozinha, ele é relacionado a Deméter para agradecimentos e consagrações; e
    • O terceiro é no meu quarto para os oneiros para minha magia onírica.

Ancestrais

  • A ancestralidade é muito honrada em caminhos pagãos.
  • Você pode optar por fazer um altar para os seus ancestrais biológicos, animais de estimação mortos, mas também para os demais ancestrais que te auxiliam diariamente.
  • É um local onde você visita quando alguém querido morre e também para agradecer a todos que vieram antes de você.
  • Quem tem a intenção de trabalhar com necromancia, ter um altar para os ancestrais pode potencializar a sua prática.
  • Coloque fotos e elementos que ajude a recordar parentes já falecidos e pessoas que gostaria de lembrar.

Altar de cozinha

  • A cozinha tem um lugar especial na casa da bruxa por ser um local de alquimia e magia culinária.
  • É comum que as bruxas adicionem altares na cozinha para consagrar alimentos, agradecer e pedir por fartura em seus lares.
  • Deuses relacionados a fartura podem ser homenageados nesse local.

Altares externos

  • Existe a possibilidade de você ter um altar na área externa da sua casa. Entenda como área externa o seu quintal, varanda ou janela.
  • Ele pode ser feito em uma jardineira, em um jarro, em uma garrafa posicionada do lado externo.
  • Altares externos normalmente são dedicados aos elementais e protetores das divisas da sua casa, assim como deuses que cuidam dos caminhos e estradas.

Cuidado com a higienização e o elitismo

  • Fique atento para não acabar caindo nas armadilhas da higienização e do elitismo que parecem cada vez mais presentes nas mídias sociais e na internet.
  • A higienização é a ideia de retirar alguns símbolos que são considerados esteticamente feios para dar uma ideia de que as nossas práticas são mais suaves. Com isso, apenas aspectos luminosos e esteticamente agradáveis são colocados em altares, com cores suaves e brandas. Ter esse tipo de postura, mesmo que inconscientemente, é reafirmar que as deturpações dos nossos símbolos possuem lógica.
  • Deixar de usar um símbolo que remeta a morte, espíritos, cores terrosas ou sangue mesmo quando você tem possibilidade de usá-los, é uma forma de silenciar o lado selvagem e visceral da bruxaria. Nada contra quem realmente gosta de cores mais suaves, o alerta é para quem tem o hábito de não usar símbolos mais brutos para suavizar para os outros. É importante entender que a bruxaria tem duas polaridades, vida-morte, céu-terra. Não temos preocupações só com o que é mais aceito pela maioria. Não podemos deixar que o significado dos nossos símbolos se percam.
  • O mesmo vale para o sentido oposto. Não queira tornar o seu altar um lugar extremamente trevoso só para causar espanto. O altar deve ser um reflexo da sua vida espiritual e dos deuses que você tem devoção. Os símbolos colocados nele precisam ter essa lógica, o altar é seu em honra as divindades. Não é feito para os outros ou para fotos de redes sociais bonitas. Caso contrário, você cai na prática do jovem místico.
  • Outra questão é o elitismo. Hoje temos a nossa disposição inúmeras lojas que vendem uma grande variedade de produtos, o capitalismo também dá uma forcinha criando produtos exclusivos cada vez mais caros. Querer adquirir também é um direito de todos. Só não fique pensando que precisa ter uma lista de itens x de preços exorbitantes para ser uma bruxa. A bruxaria é, em essência, natural, feita com o que se tem a disposição facilmente. Cuidado com os terrorismos do capitalismo que dão senso de pertencimento só para quem tem posse de objetos caros.
  • Os altares mudam com o tempo, não tenha pressa para ter tudo de uma só vez. Comece com o que você tem ao seu alcance.
  • Cuidado com o consumismo exagerado. Tudo ficou descartável rápido demais. Reutilize itens sempre que possível, conserte itens quebrados sempre que possível. Somos de um caminho espiritual onde é natureza é sagrada. O desperdício é um dano para a natureza. Tenha um consumo consciente.

Dicas gerais

  • Dedique tempo para deixar o seu altar em ordem. Realize limpezas físicas e energéticas periodicamente.
  • O seu altar é para você e os deuses do seu culto. Reflita se julga ser um local que deve ser privado ou não. Existem bruxas que não deixam ninguém tocar e nem divulgam fotos de seus altares como uma forma de proteger ele também. Como sacerdotisa, eu julgo importante compartilhar para inspirar e incentivar outras pessoas, mas fique livre para fazer essa escolha. Eu só não recomendo compartilhar todo um ritual ou ficar pausando rituais para fazer fotos. Faça antes e depois para não atrapalhar a sua conexão com os deuses.
  • Não existe um consenso se pode ou não ter altar no quarto. Quem é contra fala que é porque ele é um portal energético que pode atrapalhar o sono ou estimular em excesso sonhos divinatórios. Caso não tenha outro lugar, busque desmontar o altar ao dormir ou cobrí-lo com uma toalha. Eu já tive altar no quarto e não tive problemas. Não deixe de ter um altar se o quarto for a sua única opção.
  • Sempre tenha muito cuidado e respeito pelo fogo. Ao acender velas e o caldeirão, preste atenção para a altura das chamas e para que correntes de ar não provoquem um princípio de incêndio;
  • Caso você tenha pets, cuidado redobrado se eles são curiosos ou agitados demais. Fique atento para não quebrarem itens e gerarem cacos de vidro ou porcelana. Uma alternativa é escolher um local alto em uma prateleira, altares que não sejam fixos ou com itens seguros.
  • Observe a natureza. Muitos instrumentos riquíssimos em energia podem surgir no seu caminho, como folhas secas, cascas de insetos, o bigode do gato, o galho da árvore. Agradeça por tudo que vier como presente dos deuses.

Altares da Héspera

  • Atualmente, eu sou bruxa com base na fé helênica. Ele possui símbolos de ambos os paradigmas. Ele não tem uma configuração fixa, a cada mês disponho de uma forma diferente, depende do que estou trabalhando.
  • Eu tenho vários lugares que são sagrados e possuem representação dos deuses espalhados pela minha casa, em papel de parede de celular e computador também.
  • Os altares que eu tenho são:
    • Altar principal – Localizado no meu escritório, voltado para o leste. Local onde tenho maior privacidade. É onde eu realizo meus rituais solares e lunares. É onde trabalho com meu coven. É onde faço minhas consultas oraculares. Ele tem uma representação de todas as divindades que eu tenho culto e representação dos quatro elementos. É onde faço oferendas, libações, orações e feitiços.
    • Altar de trabalho – Localizado na minha mesa de trabalho. Ele é dedicado a Deméter e a Atena. É onde peço por foco e concentração para conseguir realizar minhas atividades de trabalho.
    • Altar de cozinha – Localizado na minha cozinha. Ele é dedicado a Deméter. É onde consagro alimentos e trabalho com magia de cozinha. É onde agradeço pela fartura do meu lar. É onde deixo o meu kathisko em honra ao Agathos Daimon da minha casa e os deuses da fartura.
    • Altar externo – Localizado na minha varanda, próximo da entrada da minha casa. É dedicado a Perséfone, Hécate e Hermes. É onde peço por proteção ao sair de casa e onde eu agradeço ao chegar de casa. Eu faço libações e cuido do jardim de maneira devocional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 4 =

error: O conteúdo é protegido!