Bruxaria devocional,  Rituais & Feitiços

Libação

Introdução

  • Libação (do latim “libatio” e do grego “spondȇ”, derramar) é o ato de derramar um líquido para um fim religioso. 
  • As libações eram normalmente conduzidas em espírito de paz, o termo grego para libação, σπονδή (spondȇ), tornou-se sinônimo de “tratado de paz”.
  • O verbo grego spéndō (σπένδω), “derramar uma libação”, também “concluir um pacto”, deriva da raiz indo-européia *spend- , “fazer uma oferenda, realizar um rito, envolver-se em um ato ritual”. O substantivo é spondȇ ( plural spondaí ) , “libação”. Na voz média , o verbo significa “fazer um acordo”, no sentido de que os deuses são chamados para garantir uma ação. O sacrifício de sangue foi realizado para iniciar uma guerra; spondaí marcou a conclusão das hostilidades e é frequentemente usado no sentido de “armistício, tratado”. 
  • A fórmula “Nós e a pólis fizemos uma libação” era uma declaração de paz ou a “Trégua de Deus”, que também era observada quando as várias cidades-estados se reuniam para os Jogos Pan-helénicos , os Jogos Olímpicos ou os festivais dos Mistérios Elêusis: esta forma de libação é “sem sangue, gentil, irrevogável e final”.
  • Essa prática está presente em diferentes religiões, mas o enfoque do texto de hoje será no helenismo.
Libação.

Histórico

  • Na antiga Suméria, a libação era feita sobre a sepultura dos mortos através de um cachimbo de barro para que os mortos pudessem beber algo no mundo após a morte, o Kur, que não tinha nada além de pó seco.
  • No antigo Egito, a libação era de uma bebida para honrar divindades, ancestrais sagrados, humanos presentes ou não no ambiente. 
  • Nas culturas africanas, religiões tradicionais africanas , o ritual de derramar libações é uma tradição cerimonial essencial e uma forma de homenagear os ancestrais. Os ancestrais não são apenas respeitados nessas culturas, mas também convidados a participar de todas as funções públicas (assim como os deuses e o Deus). Uma oração é oferecida na forma de libações, chamando os ancestrais para comparecer. O ritual é geralmente realizado por um ancião. Embora possa ser utilizada água, a bebida é tipicamente um vinho tradicional (por exemplo , vinho de palma), e o ritual de libação é acompanhado por um convite (e invocação) aos antepassados, deuses e Deus. Na região de Volta, em Gana, a água com uma mistura de farinha de milho também é usada para derramar a libação. Também é derramado durante a cerimônia tradicional de casamento, quando uma criança nasce e cerimônia fúnebre.
  • Nas culturas Quechua e Aymara dos Andes sul-americanos , é comum derramar uma pequena quantidade de sua bebida no chão antes de beber como oferenda à Pachamama , ou Mãe Terra. Isso é especialmente verdadeiro quando se bebe Chicha, uma bebida alcoólica exclusiva desta parte do mundo. O ritual de libação é comumente chamado de challa e é realizado com bastante frequência, geralmente antes das refeições e durante as celebrações. O escritor do século XVI Bernardino de Sahagún registra a cerimônia asteca associada a beber octli.
  • No budismo birmanês, a cerimônia de libação de água, chamada yay zet cha, que envolve o derramamento cerimonial de água de um recipiente com água em um vaso, gota a gota, conclui a maioria das cerimônias budistas, incluindo celebrações de doações, shinbyu e festas . Esta libação cerimonial é feita para compartilhar o mérito acumulado com todos os outros seres vivos em todos os 31 planos de existência. A cerimônia tem três orações principais: a confissão de fé, o derramamento de água e a partilha de méritos. 
  • No hinduísmo o ritual faz parte do Tarpan (oferta de água benta) e também é realizado durante Pitru Paksha (quinzena dos ancestrais) seguindo o mês de Bhadrapada do calendário hindu, (setembro-outubro). Na Índia e no Nepal, o Shiva (também Vishnu e outras divindades) recebe abhiṣeka com água por devotos em muitos templos quando eles visitam o templo e, em ocasiões especiais, elaboradamente com água, leite, iogurte, ghee, mel, e açúcar.
  • Nos costumes chineses, vinho de arroz ou chá é derramado na frente de um altar ou lápide horizontalmente da direita para a esquerda com as duas mãos como oferenda aos deuses e em homenagem ao falecido. A oferenda é geralmente colocada no altar por um tempo antes de ser oferecida em libação. Em cerimônias mais elaboradas em homenagem às divindades, a libação pode ser feita sobre as oferendas de papel queimado; enquanto para o falecido, o vinho é apenas derramado no chão.
  • No xintoísmo, a prática da libação e da bebida oferecida chama-se Miki (神酒). O licor dos deuses”. Em uma cerimônia em um santuário xintoísta, geralmente é feito com saquê, mas em um santuário doméstico, pode-se substituir por água fresca, que pode ser trocada todas as manhãs. É servido em taça de porcelana ou metal branca sem qualquer decoração.
  • O xamanismo entre os povos siberianos exibe a grande diversidade característica do xamanismo em geral. Entre vários povos próximos às montanhas de Altai , o novo tambor de um xamã deve passar por um ritual especial. Isso é considerado “viver o tambor”: a árvore e o veado que deram sua madeira e pele para o novo tambor narram toda a sua vida e prometem ao xamã que o servirão. O próprio ritual é uma libação: a cerveja é derramada sobre a pele e a madeira do tambor, e esses materiais “ganham vida” e falam com a voz do xamã em nome da árvore e do cervo. Entre os Tubalar , aliás, o pajé imita a voz do animal , e também seu comportamento.
  • No judaísmo, é mencionado na Bíblia a libação, mas foram proibidas as libações para divindades pela Torá. No cristianismo, a libação aparece como prática de diferentes figuras bíblicas no antigo e novo testamento.
    • “E Jacó ergueu uma coluna no lugar onde havia falado com ele, uma coluna de pedra; e derramou sobre ela uma libação e derramou azeite sobre ela.” (Gênesis 35:14);
    • “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, que é derramado por vocês.” (Lucas 22:20);
    • “Mas ainda que eu esteja sendo derramado como uma oferta de libação sobre o sacríficio e serviço vindo de sua fé, estou feliz e me regozijo com todos vocês.” (Filipenses 2:17);
  • Na Grécia antiga, a libação era um aspecto central, sendo uma das formas mais simples e comuns de prática religiosa. Essa prática remonta a Idade do Bronze, inclusive com indícios na pré-história. Era realizada todos os dias pela manhã e pela noite e para iniciar refeições. A libação era feita com água e vinho misturados, mas também poderia ser vinho puro, mel óleo, água ou leite.
  • Na Roma antiga, a libação era uma oferta líquida como símbolo de adoração, podendo ser um vinho ou óleo perfumado.  O deus romano Liber Pater sincretizado com Dionísio, era uma divindade romana agraciada com libações e bolos regados com mel. A libação era feita como rito introdutório de sacrifícios animais e em ritos funerários, sendo a única oferta em funerais de pessoas mais pobres. Alguns túbulos também possuíam tubos para que os parentes pudessem direcionar através deles a libação direto para o morto no subterrâneo. O leite era um líquido incomum em libações, exceto para deusas relacionadas ao nascimento como Rumina (deusa do nascimento, fluxo de leite e criação de filhos) e Cunina (deusa do berço).

Etapas de uma libação

  • Na Grécia Antiga, os itens utilizados na libação era feita diretamente sobre o altar, em um recipiente receptor, sobre o animal sacrificado, sobre as cinzas ou chamas no final do ritual, ou sobre a terra.
  • A libação típica era feita com vinho de um jarro chamado “oinochoe” ou “hydria” que era segurado na mão para uma tigela rasa chamada “phiale” ou “patera”. Depois de derramar parte do líquido no phiale, o restante no oinochoe era bebido pelo celebrante. 
  • A libação normalmente acompanhava uma oração feita em pé antes ou durante o ato da libação com o phiale na mão direita.
  • As libações derramadas sobre a terra são destinadas aos mortos e aos deuses ctônicos. No Livro dos Mortos na Odisséia , Odisseu cava um poço de oferendas ao redor do qual derrama mel, vinho e água. Para a forma de libação chamada choē (grego antigo : χεῦμα , cheuma , “aquilo que é derramado”; de IE *gheu- ),  um vaso maior é virado e esvaziado no chão para os deuses ctônicos, que podem também recebe spondai. Heróis, que eram mortais divinizados, poderiam receber libações de sangue se tivessem participado do derramamento de sangue da guerra, como por exemplo Brasidas , o Espartano. Nos rituais de cuidado dos mortos em seus túmulos, as libações incluíam leite e mel.
Libação.
  • Antes de fazer uma libação, é importante entender qual é o seu significado religioso. Sem a intenção firmada, o ato de derramar o líquido não tem nenhum valor especial. Por isso, é importante pensar em alguns pontos antes de fazer a sua libação:
    • Qual divindade ou espírito será honrado? – Cada divindade/espírito pode ter uma preferência. No caso de deuses urânios, normalmente o altar é alto e a libação é feita sobre uma bacia e o devoto pode beber parte do líquido. Já para deuses ctônicos, normalmente o altar é baixo e a libação é feita direto na terra e o devoto não compartilha do líquido. Você também pode fazer libação aos seus ancestrais. Um exemplo é libação de café para um ancestral que tinha o costume de tomar café com frequência;
    • Qual líquido será utilizado? – Você vai escolher o líquido de acordo com a divindade. De maneira geral, água costuma ser um líquido coringa, satisfazendo a maioria das divindades. Na minha prática pessoal, Dionísio gosta de derivados de uva; Deméter gosta de grãos, cervejas, mel e leite; Perséfone gosta de mel, perfumes, sangue ou líquidos vermelhos; Afrodite gosta de mel, leite condensado, chocolate, sucos vermelhos, chá de hibisco; Hécate gosta de azeite.
    • Quais utensílios irei precisar? – Você só precisa de um recipiente onde terá o líquido da libação e um outro recipiente para receber a libação. No entanto, pode ser feito direto na terra ou em jarro de plantas.
  • É totalmente opcional a forma que irá fazer a sua libação. A minha sugestão é inserir no ritual segundo os moldes do paradigma que você segue ou criar um hábito diário devocional. 
  • Segue uma ideia de inclusão em rituais:
    • Em um ritual nos moldes helênicos, você primeiro faz a purificação dos miasmas com o khernips e depois algum ato devocional como a leitura de um hino órfico e então performa a libação, fechando o ritual com uma nova purificação. Pode também ser feita uma libação diária para o Agathos Daimon e deuses domésticos.
    • Em um ritual nos moldes da bruxaria, você pode iniciar com um relaxamento e fazer a libação após a abertura do círculo mágico. 
  • Antes de fazer a libação, recomendo uma oração em graças pela divindade ou espírito que será honrado. Derrame o líquido lentamente firmando o pensamento nos domínios da divindade ou lembranças do espírito. Você também pode colocar uma música que agrade ao espírito/divindade.
  • Se você for fazer a libação em um recipiente receptor, descarte respeitosamente na pia ou na natureza.

Líquidos para libação

  • O líquido escolhido para libação pode ter relação com a mitologia ou domínios da divindade na qual você está querendo honrar. 
  • Se não for um líquido que você irá tomar junto com a divindade/espírito, você pode fazer um mix de ervas ou líquidos para potencializar o líquido.
  • Veja alguns exemplos de possíveis líquidos:
    • Leite;
    • Cerveja;
    • Bebidas alcoólicas;
    • Mel;
    • Vinho;
    • Sucos;
    • Chás;
    • Grãos;
    • Café;
    • Água;
    • Azeite;
    • Óleos alimentícios ou aromáticos;
    • Perfumes;
    • Chocolate;
    • Leite condensado;
    • Sangue menstrual;

Utensílios para libação hoje

  • Você só precisa de dois recipientes, um com o líquido e outro para receber o líquido. Preferencialmente que sejam dedicados apenas para essa finalidade e que o recipiente com o líquido tenha um bico para facilitar despejar.
  • Você não precisa de itens elaborados para fazer a sua libação. Cada um faz com o melhor que está ao seu alcance. A essência desse ato ritualístico é que ele possa ser simples para ser repetido com frequência.
  • Veja alguns exemplos, dos simples aos mais elaborados:

Libação na bruxaria de cozinha

  • Os rituais de bruxaria realizados na cozinha permitem o contato direto com todos os quatro elementos e mesmo sem reparar, fazemos vários momentos de derramamentos de líquidos que podem se tornar libações poderosas. Seja para untar a panela com óleo, colocar o leite na bacia do bolo, ao passar óleo na massa do macarrão, despejar uma calda sobre um bolo… são muitas as possibilidades.
  • Na minha prática pessoal, a minha cozinha é dedicada a Deméter. As libações em pratos doces ou salgados são dedicadas a Deméter, de maneira geral. No entanto, se eu faço um prato para uma outra divindade, seja para oferecer em rituais como oferenda votiva ou para ser o prato de ancoramento no final do ritual, eu deixo a libação da cobertura para ser feita durante o ritual ou na cozinha em honra a divindade que será homenageada no ritual com aquele alimento. 

Outros momentos para libações

  • Seja criativo! Saiba que fazer a libação é derramar um líquído em honra aos deuses. Muitos momentos podem ser aproveitados e ressignificados para esse fim. Exemplos:
    • Pode ser o momento de colocar o seu chá ou suco na sua xícara;
    • Pode ser quando você derrama um banho mágico, óleo ou creme sobre seu corpo, quando você se oferece como recipiente;
    • Pode ser quando você mergulha na água de um rio ou mar, onde você se oferece como líquido;

Referências

  1. Libação. Disponível em <phttps://pt.wikipedia.org/wiki/Liba%C3%A7%C3%A3o> Acessado em 24/11/2022.
  2. Libation. Disponível em <https://en.wikipedia.org/wiki/Libation> Acessado em 24/11/2022.
  3. Oenochoe. Disponível em <https://en.wikipedia.org/wiki/Oenochoe> Acessado em 24/11/2022.
  4. Patera. Disponível em <https://en.wikipedia.org/wiki/Patera> Acessado em 24/11/2022.

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − dez =

error: O conteúdo é protegido!