Herbário

Narciso

O mito de Narciso

  • Hera por ter cíumes de Zeus com a ninfa Echo, amaldiçoa a ninfa que não poderia falar, apenas repetir o que os outros falavam. A ninfa se apaixona por Narciso que não a corresponde por amar apenas a si mesmo.
  • Narciso que foi transformado em flor após se apaixonar pela sua própria imagem refletida em um lago como punição dos deuses, uma vez que foi condenado a nunca se autoconhecer. Ele desprezava as pessoas que se apaixonavam por ele, como a ninfa Echo. Com isso, ele viu a sua própria imagem se formar na fonte de Téspias e ele morre afogado na tentativa de abraçar o seu reflexo. No local de sua morte, nascem narcisos.
Echo and Narcissus – Pintor: John William Waterhouse.


Narciso e o amor próprio

  • Para a psicanálise, o narcisismo é o amor excessivo pela própria imagem ou por si mesmo.
  • Em 1898, Havelock Ellis associa o amor pela própria imagem como explicação para a homossexualidade. Já Alfred Binet associa o mito ao fetichismo da pessoa querer se tornar um objetivo sexual. Foi Paule Nacke, em 1899 trouxe o termo para a psiquiatria falando que o auto-amor saudável e o narcisismo se diferencia apenas no grau de auto admiração que a pessoa pode ter. Foi Freud que consolidou o uso do mito para ilustrar o auto erotismo.
  • O narcisismo é um mecanismo de defesa para pessoas que sofrem com a realidade e como alternativa coloca suas expectativas apenas em si mesmo, investindo em si como forma de evitar frustrações e decepções com o outro e o mundo. Isso pode ser gerado por traumas e carências que a pessoa se sofreu.
  • A condição de amor próprio deixa de ser saudável quando a pessoa deixa de querer conquistar uma auto-estima para satisfação pessoal para ter um apego extremo com a sua imagem para se sentir superior aos outros ou para ter afeto. Com isso cria personagens para agradar aos outros. A patologia pode envolver inveja e ódio uma necessidade de ser onipotente.


A armadilha de Zeus e Gaia

  • O que chamou a atenção de Koré antes do seu rapto, foi um lindo narcísio criado por Gaia, sob ordens de Zeus. Neste ponto fica evidente que Zeus compactuava com Hades para realizar o rapto.
  • Na teogonia, Gaia é uma deusa que auxilia em estratagemas para destronar deuses e colocar outros em seus lugares. Portanto, o rapto também iria consolidar o Zeus no poder do Olimpo.
  • Narciso (grego antigo Νάρκισσος, torpor; ou nárke, narcótico) é uma flor venenosa que é plantada em túmulos já que a morte é um sono profundo, ela floresce na primavera. A escolha de narcisos para o hino pode ter relação com o rapto para o submundo ser uma forma de mergulhar em um estado alterado de consciência, como no sono. 
  • Narcisos também poderia representar a própria vaidade de Koré. A flor pode ser uma alegoria para o encontro de Koré consigo mesma, a busca por autoconhecimento, uma vez que ela ganha muitas atribuições e transformações após chegar no submundo.
  • Acredito que esse seja um indício de que ela foi ao encontro das profundezas de si mesma, em busca de desenvolvimento pessoal.


Narcisismo 

“Há muitos pontos de vista diferentes em relação à definição de narcisismo e sua perturbação. Para Alexandre Lowen, como já referido atrás, o distúrbio narcisista é a supervalorização da imagem em detrimento do self, forçando o sujeito a criar e manter uma imagem que lhe seja prazerosa, esquecendo a sua verdadeira essência e renegando os seus sentimentos íntimos (Lowen cit por Mariani, 2008). Posto isto, tal como no mito – Narciso não se apaixona por si mesmo, mas sim pleo reflexo da sua imagem – o sujeito narcísico busca em si mesmo um objecto amoroso, não reconhecendo as suas necessidades verdadeiras e profundas, o que no fundo é não se conhecer a si mesmo.”

“Importante é compreender que o narcisismo é diferente de egoísmo. Para os egoístas o mundo exterior é extremamente importante e há sempre tendência para tirar proveito dos objectos, enquanto o narcisista não se interessa pelo exterior e nem pelos objectos, vivendo para si mesmo achando o exterior aborrecidoe desinteressante (Wittles et al, 1994). Ele próprio é o mundo exterior dos outros. Por exemplo, nas relações amorosas, o outro parceiro é tratado como um objecto que serve de sustento à auto-estima (Casey & Kelly, 2007). Portanto, o narcisista apenas mantém contacto com o exterior capaz de lhe devolver o reflexo da sua própria imagem, dos seus próprios interesses e do seu próprio mundo.”

Ventura & Pedro, 2010.


Narciso (Narcissus sp.)

  • Origem: Mediterrâneo e parte da Ásia.
  • Outros nomes: narciso-trombeta.
  • Usos medicinais:
    • Vários extratos de narcisos mostram as seguintes atividades: antiviral, indução de profago, antibacteriana, antifúngica, antimalárica, inseticida, citotóxica, antitumoral, antimitótico, antiplaquetário, hipotensor, emético, inibidor de acetilcolina esterase, antifertilidade, antinociceptivo, cronotrópico, feromônio, inibidor de crescimento vegetal e alelopático.
    • É uma planta com usos medicinais relacionados a controle de cspasmos, mas como pode ser muito tóxica, o uso deve ser feito com muita cautela e por indicação especializada.
    • Ela possui propriedades entorpecente ou narcótica.


Cultivo

  • Ciclo de vida: perene;
  • Tamanho: 30 a 40 cm;
  • Luz: pleno sol:
  • Substrato: bem drenado (1/3 areia e 2/3 orgânico);
  • Água: rega média;
  • Floração: Inverno-Primavera;
  • Perfumada: Sim;
  • Propagação por separação de bulbos filhotes;
  • Se forem plantadas em vaso, opte por vasos com mais de 25 cm de profundidade. É uma planta que prefere dividir vaso com outras da mesma espécie porque ela pode induzir a morte de outras plantas.
  • Caso coloque em canteiros, deixe espaços de 15 cm entre uma muda e outra.
  • Na primavera, ela floresce por cerca de 20-30 dias e depois passa por um processo de dormência que pode durar um ano. 
  • No outono ela perde as folhas.
  • É uma planta que prefere regiões frias.


Correspondências

  • Gênero: Feminino
  • Planeta: Vênus
  • Elemento: Ar
  • Tarot: A Imperatriz, A morte
  • Afrodisíaco, autoconhecimento, amor próprio, vaidade.
  • É uma narcótica, excelente para mergulhar no subconsciente. Pode ser usada em magia onírica e trabalhos com as sombras.
  • Rituais:
    • Honra a Perséfone e deuses relacionados a morte.
    • Rituais que envolvam autoconhecimento e mergulho nas sombras.
  • Cozinha mágica:
    • Não é recomendável o uso interno sem indicação especializada por ser venenosa.
  • Outros usos:
    • Um jarro com a planta em natura;
    • Banho mágico com a erva;
    • Vestir a vela com a erva;
    • Sachê com a erva para usar como amuleto;
    • Óleo essencial na aromaterpia ou produtos estéticos.


Referências

  1. Ventura, D. A. D. N. e Pedro, A. (2010). Perturbação narcísica da personalidade: descrição e compreensão. Licenciatura em Psicologia do Departamento de Psicologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Lisboa, Portugual.
  2. Bastida et al. (2006). Chapter 3 Chemical and Biological Aspects of Narcissus Alkaloids. The Alkaloids: Chemistry and Biology 63, p. 87-179.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − vinte =

error: O conteúdo é protegido!