Ancestralidade bruxa

Starhawk

Introdução

  • Starhawk é estadunidense, bruxa e sacerdotisa da Wicca.
  • Ele foi a fundadora da vertente wiccana chamada Tradição Reclaiming e teve um papel importante na associação da bruxaria com a política.
  • O principal objetivo desse texto, assim como os demais da categoria “Bruxas & Bruxos” é apresentar um pouco da história de diferentes pessoas históricas ou personagens mitológicos que impactaram a nossa compreensão do que é a bruxaria hoje. A partir disso, então, termos inspirações em suas trajetórias e honrar a existências deles. É sobre a nossa ancestralidade também.
  • O foco aqui é registrar a contribuição e relevância da figura pública no cenário pagão, ciente que nem todas as suas falas e ações representam toda a comunidade pagã ou tornando-os livre de erros.

História

  • Starhawk, com nome cívico Miriam Simos (Saint Paul, Minnesota, 17 de Junho de 1951), é uma bruxa que é escritora estadunidense e anarquista. É bastante conhecida por ser uma teórica sobre o Paganismo, colunista wiccana no Beliefnet.com, e uma das primeiras vozes do eco-feminismo.
  • Starhawk vive em São Francisco, recebeu treinamento na Wicca Tradição Gardneriana e foi co-fundadora da Tradição Reclaiming no final da década de 1970 junto com Diane Baker.
  • É internacionalmente conhecida por ensinar ação direta e não violenta, e, uma ativista do movimento de paz, ambiental e de anti-globalização. Viaja o mundo ensinando e dando conferências e workshops.
  • Teve bastante influência na decisão da Unitarian Universalist Association of Congregations para incluir tradições baseadas nas fontes de fé da UUA.
  • Dirige numerosos workshops e foi um membro ativo do The Covenant of Unitarian Universalist Pagans, Inc.

I) Ecofeminismo

  • O movimento ecofeminista sustenta que a defesa do meio ambiente constitui parte essencial do movimento feminista. O ecofeminismo está relacionado à produção da vida, ao equilíbrio e respeito à natureza, assim como à valorização da mulher dentro de suas comunidades e à promoção dos direitos humanos. Para outros, a presença de ecofeminismo na comunidade está relacionada ao cuidado, à sensibilidade e à cooperação.
  • O ecofeminismo identifica no sistema patriarcal a origem da catástrofe ecológica atual, tendo sido a natureza e as mulheres, ambas associadas à reprodução da vida, o alvo das agressões desse sistema;
  • Uma das ideias mais influentes sobre ecofeminismo, política e espiritualidade veio de Starhawk que argumentava que a espiritualidade baseada na terra está enraizada em três conceitos básicos que ela chamou de: imanência, interconexão e comunidade.
  • Para Starhawk, a terra é dinâmica e viva, assim como sagrada. A forma que o sagrado se manifesta não é tão importante quanto as experiências profundas de conexão com a Terra e o mundo que nos rodeia;
  • Ela buscou desfazer a divisão entre ciência e religião. A divisão desaparece para Starhawk porque “a religião não se torna mais um conjunto de dogmas e crenças que temos de aceitar, mesmo que não façam sentido, e a ciência não está mais restrita a um tipo de análise que separa o mundo”.
  • Ao desafiar a divisão entre ciência e religião, Starhawk concebe uma ciência que se torna uma forma de olhar o mundo mais profundamente e com mais clareza. Esse tipo de ciência é bem diferente daquela que atualmente influencia a educação ambiental.
  • Alguns educadores ambientais estão começando a desafiar a autoridade e a supremacia dada à ciência na educação ambiental. O principal impulso da crítica à educação ambiental baseada na ciência é que os conceitos ecológicos são frequentemente ensinados no que é expresso como princípios objetivos, neutros e universais. Connie Russell, Anne Bell e Leesa Fawcett (no prelo) argumentam que a educação ambiental baseada na ciência “oculta os valores, crenças e pressupostos que fundamentam a informação, criando uma ilusão de neutralidade e anonimato” (no prelo).
  • Ian Robottom (1991) tem também tem sido bastante veemente nas suas críticas à racionalidade tecnocrática que ele vê como subjacente a grande parte da educação ambiental. Robottom argumenta que, ao enquadrar os problemas ambientais como questões técnicas, as fortes dimensões políticas das questões ambientais desaparecem. A racionalidade tecnocrática se expressa “não apenas na pedagogia da educação ambiental (transmissão de conhecimento preposicional), mas também nas imagens livres de valor do ‘meio ambiente’ e da ‘ecologia’ que são ensinadas” (p. 21). Robottom sugere que os interesses humanos (e eu incluiria os interesses não humanos) são ignorados quando os problemas ambientais são descritos apenas em termos científicos. Ao privilegiar a autoridade da ciência, uma forma muito particular de conhecimento torna-se favorecida e dominante.
  • Um tipo de educação ambiental que incorporasse uma visão da ciência semelhante à descrita por Starhawk veria o ambiente como mais interligado e baseado em valores. Isto desafiaria as formas atuais de educação ambiental que raramente são auto-reflexivas sobre o papel da ciência e da racionalidade tecnocrática.
  • Ao focar na interconectividade, Starhawk abre espaço para uma união entre política, ciência e o sagrado. Ela chama isso de “construir comunidade”. “O objetivo é a criação de uma comunidade que se torne um lugar onde possamos ser capacitados e onde possamos estar conectados à Terra e agir juntos para curar a Terra”.
  • O foco de Starhawk nos princípios de imanência, interconexão e comunidade leva a um colapso na diferenciação entre a noção de ação que cresce a partir da espiritualidade e a noção de ação que cresce a partir do pensamento intelectual. Starhawk argumenta que a ideia de a Terra estar viva “está se tornando uma filosofia intelectual aceitável”. Apontando para a popularização da hipótese de Gaia, Starhawk sugere que alguns cientistas estão, sem saber, a reconhecer o que as pessoas em culturas tribais, bruxas, xamãs e semelhantes têm dito durante anos: a terra está viva.
  • A terra como uma entidade viva, um corpo sensível, é uma ideia fundamental para a tradição espiritual do Paganismo Wiccano de Starhawk. Esta ideia, entretanto, não se limita a uma tradição específica e pode ser encontrada em muitas crenças. Starhawk sente que os valores e perspectivas pagãs, embora sejam uma de uma série de tradições baseadas na terra, podem fazer “contribuições importantes para a análise e organização ecofeminista”.
  • A perspectiva pagã de Starhawk influencia a ação política. Esta magia politicamente carregada é evidente todos os anos quando um grupo de pagãos políticos converge para Queen’s Park para livrá-lo da má energia resultante do governo conservador, bem como enviando luz curativa e energia positiva ao Legislativo de Ontário em um esforço para mudar a consciência. Embora a eficácia de um evento deste tipo possa ser posta em causa, muitos dos participantes utilizam a energia desse evento para alimentar as suas lutas políticas após o caso.
  • Os pagãos políticos também têm estado ativos nas lutas recentes contra a globalização, organizando dezenas de “grupos de afinidade” centrados no paganismo e rituais públicos durante ações de massa, como o encerramento das conversações da Organização Mundial do Comércio em Seattle.

II) Paganismo político

  • Como Starhawk define magia como “a arte de mudar a consciência à vontade”, existe uma conexão importante entre magia e política. Starhawk faz esta ligação de forma bastante explícita ao sugerir que a mudança de consciência em grande escala pode ser uma manifestação política de magia.
  • O que é atraente na concepção de magia de Starhawk é que ela se concentra na autotransformação, ou na mudança da consciência individual, mas também parece reconhecer que nem toda mudança pode ser individual e nem toda magia se manifesta da mesma maneira.
  • Starhawk descreve a magia como algo prosaico, como um processo judicial, um panfleto ou uma manifestação; todas essas ações mudam a consciência. Ao mesmo tempo, a magia pode ser esotérica, envolvendo um aprofundamento da consciência, desenvolvimento psíquico e intuição aguçada.
  • Isto tem uma dimensão pessoal à qual Starhawk alude ao observar como ações políticas como a panfletagem e as manifestações podem existir em estruturas hierárquicas que promovem o “poder sobre”.
  • Usar a magia na política poderia resultar no descarte de estruturas hierárquicas e no poder, em favor da imanência e da compreensão da interconexão de todas as coisas. A magia como política envolve toda uma série de energia em movimento, cuidado, conexão e mudança. Starhawk descreve isso como um paradoxo, onde por um lado a consciência molda a realidade, a realidade também molda a consciência.
  • Gosto do paradoxo descrito por Starhawk porque pode ser usado para reconhecer que a consciência está fundamentada em condições materiais e estruturais sem ser determinista. O paradoxo de Starhawk dá agência aos indivíduos para mudar as coisas, mas apenas dentro do âmbito da “realidade condicionada”.
  • Há espaço para movimentar energia, mas o ônus sobre a ideia liberal do indivíduo livre e capaz é removido. O paradoxo é poderoso e penso que poderia ser efetivamente incorporado na educação ambiental. Se a definição de magia de Starhawk for compreendida, o foco na mudança da consciência individual e coletiva está cheio de potencial. A abordagem da Starhawk de focar no indivíduo e também na comunidade é uma abordagem que pode ser poderosa na educação ambiental. Muitas vezes, a educação ambiental não aborda a forma como a realidade molda a consciência.
  • Por exemplo, programas como os encontrados na Educação para a Terra, concentram-se em criar uma identidade ecológica que esteja totalmente conectada com o mundo natural, sem qualquer consideração pelo contexto ou realidade. Por outras palavras, embora muitas vertentes da educação ambiental se concentrem na comunidade, a responsabilidade individual ainda acaba por ser o principal ponto focal.
  • As suposições universalizantes inferem que todos estão na mesma situação e, portanto, ignoram os contextos. Não se pode presumir, por exemplo, que o termo “meio ambiente” signifique a mesma coisa para todas as pessoas. Para uma jovem que cresce numa comunidade poluída, questões de saúde como o câncer da mama podem ser mais relevantes do que questões de preservação da natureza. Aprender como liderar ações de desobediência civil ou testar a presença de certos produtos químicos pode ser de maior importância do que a unidade cósmica ou a diferenciação entre diferentes espécies de árvores.
  • Embora termos como “magia” e “espiritualidade” tendam a deixar as pessoas desconfortáveis, especialmente no contexto da educação, pode haver espaço para a magia e o sagrado numa educação ambiental ecofeminista. Ver a ciência como sendo potencialmente não-positivista e tecnocrática, uma forma de “olhar mais profundamente para a Terra como um ser vivo” é espiritual. Quando se vê que a educação tem possibilidades mágicas que aumentam a sua politização, não parece tão deslocado ligar a aprendizagem, a magia e a política.

III) Tradição Reclaiming de Bruxaria

  • Essa seção foi transcrita do site da Tradição Reclaiming Brasil, vide referências.
  • A Tradição Reclaiming de Bruxaria americana contemporânea surgiu de um coletivo de trabalho na área da baía de São Francisco, na Califórnia.
  • No verão de 1980, Diane Baker e Starhawk, que antes dessa época trabalhavam com convidados individuais em seu coven (Raving), decidiram planejar e ensinar em conjunto uma aula básica em Bruxaria.
  • O livro de Starhawk, The Spiral Dance, deveria ser publicado no final daquele ano. Para este livro, Starhawk baseou-se em sua própria formação pessoal e experiências, sua exposição inicial ao trabalho de Zsuzsanna Budapeste e seu posterior treinamento na Tradição Feri de Bruxaria com Victor e Cora Anderson.
  • Diane e Starhawk chamaram sua primeira classe de “Elementos da Magia”. Foi uma série de seis semanas. Foi oferecida como uma aula de Espiritualidade da Deusa e dirigida às mulheres. As aulas eram feitas dentro do espaço sagrado e a ênfase era no experiencial e não no didático. Cada turma se concentrava em um dos Elementos, começando com Ar no Leste, prosseguindo ao redor do círculo semanalmente para Fogo no Sul, Água no Oeste, Terra no Norte e Espírito no Centro. Além disso, cada classe demonstrou um aspecto diferente da magia (o intelectual, o sensor e o projetivo de energia, o trabalho de transe, o trabalho de feitiços, etc.) e que foi construído sobre a classe anterior. Esta aula foi tão entusiasticamente recebida pelas mulheres que elas pediram mais.
  • Starhawk e Diane contaram com a ajuda de dois outros membros do Coven Raving, para ensinar uma segunda série de Elementos a mais mulheres que manifestaram interesse, e para criar uma classe mais avançada chamada “O Pentáculo de Ferro”. O Pentáculo de Ferro é baseado em conceitos da Tradição Feri de Bruxaria. O foco principal da aula era o trabalho de transe e a descoberta dos poderes de cura do corpo humano através de meditações na estrela de cinco pontas. Os pontos eram Sexo, Self, Paixão, Orgulho e Poder. Este constructo é uma das características distintivas da Bruxaria da Reclaiming, porque é considerado parte da abordagem básica da magia, embora outras linhas da Feri também trabalhem com ele. O mesmo vale para a sua contraparte, o Pentáculo de Pérola, cujos pontos são Amor, Conhecimento, Sabedoria Lei e Poder. Ambos os Pentáculos têm correspondências com a cabeça, as mãos e os pés, dando voltas e atravessando o corpo humano, tocando os pontos de uma estrela de cinco pontas.
  • Mais uma vez, o sucesso gerou mais uma classe chamada “Os Ritos da Passagem”. Todas as aulas foram realizadas dentro de um ritual, no espaço sagrado. A partir daí, mais turmas foram formadas, mais pessoas começaram a ensinar, mais covens surgiram. A essa altura, os professores originais haviam se juntado a alguns dos “graduados” e outros para continuar o ensino e também para oferecer rituais públicos nos sabás. Eles também publicam uma pequena revista contendo principalmente anúncios de rituais públicos e de classes. Esse grupo central tornou-se o Reclaiming Collective, nomeando-se em 1980.
  • Durante este período, muitos membros do Coletivo e pessoas da comunidade da Reclaiming de maior porte foram proeminentemente ativos na desobediência civil antinuclear em lugares como Lawrence Livermore Lab e Diablo Canyon. Algumas pessoas deram apoio às outras pessoas que corriam o risco de serem presas durante os protestos. Além disso, algumas pessoas no Coletivo e na comunidade maior viviam em lares comunitários. Alguns eram anarquistas. Todas as atividades do Coletivo, desde a elaboração de aulas e o tratamento de preocupações domésticas até protestos políticos públicos, foram feitas usando o processo de consenso.
  • Por causa das experiências políticas da maioria dos primeiros organizadores do Reclaiming, o Coletivo sempre usou o processo de consenso, aprendido principalmente da Sociedade Religiosa dos Amigos (Quakers). Isso leva mais tempo do que a tradicional tomada de decisão em grupo e pode ser repleto de frustrações, especialmente para os mais hierárquicos e parlamentaristas. No entanto, dentro da Reclaiming, promoveu laços estreitos entre os participantes. Quase todo o planejamento e atividade iniciais ocorreram “no espaço sagrado”, ritualizados, na presença de Deuses e Deusas.
  • O Coletivo, após semanas e meses de discussão e trabalho, criou uma declaração que apareceu em cada edição do Boletim da Reclaiming:

“Reclaiming é uma comunidade de mulheres e homens da área da Baía de São Francisco que trabalham para unificar espírito e política. Nossa visão está enraizada na religião e magia da Deusa – a Força Vital imanente. Nós vemos o nosso trabalho como ensinar e fazer magia – a arte de nos capacitarmos uns aos outros. Em nossas aulas, oficinas e rituais públicos, treinamos nossas vozes, corpos, energia, intuição e mentes. Usamos as habilidades que aprendemos para aprofundar nossa força, tanto como indivíduos quanto como comunidade, para expressar nossas preocupações sobre o mundo em que vivemos e gerar uma visão de uma nova cultura.”

  • Assim, diferentemente da maioria das outras tradições da Arte, incluindo uma de suas fundações, a Tradição Feri de Bruxaria, a Reclaiming sempre adotou uma conexão entre espiritualidade e ação política.
  • Em 1985, o Coletivo ofereceu seu primeiro Intensivo de Verão de Aprendizado (Summer Intensive Apprenticeship), realizado durante uma semana em casas de membros em São Francisco e em parques e outros espaços ao ar livre. Estudantes viajaram de outros estados para treinar; eles ficavam em futons, camas, sofás e chãos nas casas dos membros do Coletivo. O primeiro Intensivo de Verão foi tão bem-sucedido que no ano seguinte o Coletivo alugou uma instalação de camping de retiro na Fazenda de Jughandle, na Costa de Mendocino, para uma série de sessões de treinamento longe do cotidiano tanto para professores quanto para alunos. Neste ponto, os professores foram trazidos do grupo de professores do Coletivo.
  • Os “intensivos” logo passaram a ser conhecidos como “WitchCamps”, em português, Acampamentos de Bruxas, e se expandiram com professores da área da Baia de São Francisco sendo convidados para outros estados, Canadá, Inglaterra, Alemanha e Noruega. As pessoas treinadas nesses campos, por sua vez, treinaram outras pessoas em suas comunidades. Hoje, os Acampamentos de Bruxas da Tradição Reclaiming nos EUA, no Canadá e na Europa são feitos de forma autônoma. Eles agora estão conectados ao corpo representativo da Reclaiming, chamado The Wheel, através de seu conselho reunido em seu Acampamento de Bruxas chamado A Rede.
  • Enquanto isso, na Califórnia, as “core classes” foram expandidas e modificadas, e novas, como a magia de ervas, incenso, cantos e encantamentos, a cura do aborto, “Trazendo os passos para o círculo” (trabalhando com Doze Passos), e outros foram adicionados. A liderança dos rituais públicos nos ensinou novas maneiras de fazer magia em grandes grupos com participantes de todos os graus de perícia mágica. Criamos métodos e funções para atender a essas circunstâncias em mudança.
  • Entre os papéis que criamos estavam os “Corvos”, aqueles que supervisionam o quadro geral – de um ritual individual, de planos de ensino ou de atividades coletivas em geral. As “Cobras”, que veem as coisas do chão, as pequenas coisas da Terra. Os “Dragões”, que guardam os perímetros de círculos em espaços públicos ao ar livre, como praias, para que os participantes possam trabalhar sem se distrair com curiosos transeuntes; eles não participam diretamente do trabalho de um ritual porque estão fornecendo um amortecedor entre o público e o círculo interno. Neste papel, os Dragões são semelhantes ao que são chamados em outras tradições de “Homem de Preto”. As “Graças”, que atuam como assistentes dos Sacerdotes e Sacerdotisas; dão as boas-vindas às pessoas, guiam-nas, mantêm os corredores limpos, chamam as pessoas para ficarem em pé, sentadas, cantando, dançando, reunir todos e todas para uma dança em espiral, tudo em partes diferentes e apropriadas do ritual. As Graças poderiam ser comparadas, em certo sentido, às donzelas em outras tradições da Arte.
  • Nos últimos anos, a Reclaiming começou a empregar “âncoras” em grandes rituais públicos, para ajudar a concentrar e conter a energia do círculo em locais onde poderia estar propenso a fragmentação e dissolução. Eles agem como estacas para manter a energia contida até que seja apropriado liberá-la e direcioná-la. É muito importante que a âncora não tente controlar a energia do ritual ou aterrá-lo através de seu corpo.
  • Atualmente, alguns bruxos e bruxas da Reclaiming estão sendo treinados/as em “aspectamento”, uma técnica que corresponde ao que tradições tradicionais britânicas de Bruxaria mais comumente conhecem como Puxar a Lua para Baixo. Nem todas as bruxas Reclaiming praticam todas essas técnicas. Muitas bruxas Reclaiming, plenamente treinadas e respeitadas, seguiram suas práticas pessoais e de coven, antes que algumas dessas técnicas fossem usadas comumente. A Reclaiming continua a ser uma tradição viva e em evolução.
  • No livro “The Pagan Book of Living and Dying”, Starhawk descreve o estilo de ritual do Reclaiming como EIEIO – Extático, Improvisador, Em Grupo, Inspirado e Orgânico. Nossas práticas estão em constante crescimento, sendo “estendidas, refinadas, renovadas e mudadas à medida que o espírito nos move e precisa erguer-se, ao invés de (…) aprendidas e repetidas de maneira estereotipada”.
  • A disseminação de ensinamentos da área da baia de São Francisco combinada com o crescimento de grupos de ensino nas vizinhanças onde os Witch Camps foram realizados (Vancouver, BC, Missouri, Michigan, Texas, Vermont, Virgínia Ocidental, Flórida, Pensilvânia, Inglaterra e Alemanha). As lições aprendidas com o trabalho coletivo formaram o ensino nos Acampamentos de Bruxas e as lições aprendidas com os Acampamentos de Bruxas encontraram seu caminho nas práticas locais da Bay Area.
  • Características distintivas da bruxaria da Tradição Reclaiming são:
  1. Covens e grupos de sacerdotes/sacerdotisas não-hierarquizados;
  2. Nenhum panteão específico;
  3. Nenhum requisito de iniciação e quando as iniciações são realizadas, personalizadas;
  4. Forte ênfase no envolvimento político e na responsabilidade/consciência social e ecológica;
  5. Nenhuma liturgia definida (exceto em certos rituais públicos de sabá grandes, ensaiados ou semi-ensaiados), mas sim um treinamento em princípios de magia e na estrutura do ritual, e como “falar como se o Espírito movesse você” dentro daquela estrutura;
  6. Cultivo de estados extáticos (habitualmente sem o uso de enteógenos ou psicotrópicos) e colóquio divino – mais xamânico do que cerimonial;
  7. Cultivo de autocapacitação, autodescoberta e criatividade;
  8. Uso extensivo de cantos e respiração em rituais mágicos;
  9. Intensa “geração de energia”, muitas vezes usando nossa dança espiral de marca registrada (ou mesmo dança de dupla hélice/DNA);
  10. Uso mágico do Pentáculo de Ferro e seu contraponto, o Pentáculo de Pérola;
  11. Conceito de Três Almas;
  12. Encorajamento da criação de novas formas rituais por qualquer pessoa.
  • Eu ouvi nos descrever como “as bruxas pentecostais”, que considero ser uma alusão à estrutura solta, à alta energia e à natureza extática da maioria dos rituais Reclaiming, particularmente dos grandes públicos. Uma característica da Reclaiming que surgiu nos anos 90 é trabalhar com o conceito das Três Almas, que é compartilhado com Tradição Feri de Bruxaria e também aparece nas culturas Havaiana, Judaica e Celta. A adaptação de Starhawk, chamada os Três Selves, aparece em The Spiral Dance, como Self Mais Jovem, a mente inconsciente, Self Discursivo, que dá expressão verbal e consciente, e Self Profundo ou Self Divino, o Divino dentro.
  • Desde o começo, Reclaiming não teve um panteão específico. Nós sempre invocamos a Deusa em nossos círculos e muitas vezes, mas nem sempre, o Deus também. As aulas coletivas, os covens e a comunidade tiveram significativamente mais mulheres do que homens. Eventualmente, duas divindades em particular pareciam ter adotado a comunidade da Bay Area Reclaiming – Brigit e Lugh.
  • Concomitante com todos esses desenvolvimentos, Starhawk estava trabalhando em um curso de aconselhamento na Universidade Antioch West. Seu trabalho e vida formaram sua dissertação de mestrado, que foi publicada como “Dreaming the Dark: Magic, Sex and Politics” em 1982. Seu livro de 1987, “Truth or Dare: Encounters with Power, Authority and Mystery” expandiu o que estávamos aprendendo a fazer e sobre o que ela e outros estavam fazendo ações políticas diretas. Não há dúvida de que Starhawk é a principal construtora da tealogia da Tradição Reclaiming de Bruxaria, além de ser sua liturgista mais prolífica. Outros e outras liturgistas proeminentes incluem Rose May Dance, Pandora Minerva O’Mallory, Anne Hill, T. Thorn Coyle, e os muitos cantos e canções colaborativas que surgem das aulas e nos vários Witch Camps.
  • Starhawk sempre reconheceu que muito do seu próprio pensamento cresce fora da comunidade e é informado pelos outros. Reclaiming é um Coletivo e uma comunidade muito mais colaborativa e igualitária do que pode parecer para os estrangeiros por causa da fama de um membro, por exemplo, Starhawk. As pessoas assumem que ela é “a líder” e isso nunca foi verdade, embora ela sempre tenha sido e continua sendo uma voz poderosa e influente.
Tradição Reclaiming de Bruxaria no Canal de Cedrec Nightingale.

IV) Produção literária

  • A produção literária de Starhawk possui uma linguagem acessível mesmo para tratar assuntos profundos e complexos. Ela fala sobre a vivência da bruxa, assim como oferece uma linguagem prática de exercícios de aperfeiçoamento e conexão com a natureza e os deuses.
  • A sua escrita também fala muito sobre o papel político da bruxa. Starhawk atingiu um dos objetivos que era aumentar o apelo pela bruxaria onde seu livro The Spiral Dance atingiu o status de livro de treinamento básico para bruxas substituindo para muitos praticantes o livro Bruxaria Hoje, de Gerald Gardner, fundador da Wicca.
  • Dentre as suas publicações destacam-se também:
    • Earth Magic (1978);
    • The Spiral Dance: A Rebirth of the Ancient Religion of the Goddess ou A Dança Cósmica das Feiticeiras (1979, 2021);
    • Dreaming the Dark: Magic, Sex, and Politics (1982);
    • Truth or Dare: Encounters with Power, Authority, and Mystery (1989);
    • The Fifth Sacred Thing (1993);
    • The pagan book of living and dying (1997);
    • Walking to Mercury (1997);
    • Circle round (1998);
    • The Twelve Wild Swans (2000);
    • Webs of Power: Notes from the Global Uprising (2002);
    • The Earth Path: Grounding Your Spirit in the Rhythms of Nature (2004);
    • City of Refuge (2016).

Referências

  1. Fry, K. (2000). Learning, magic, & politics: Integrating ecofeminist spirituality into environmental education. Canadian Journal of Environmental Education (CJEE), 200-212.
  2. Flores, B. N., & Trevizan, S. D. P. (2015). Ecofeminismo e comunidade sustentável. Revista Estudos Feministas23(1), 11-34.
  3. Starhawk. Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Starhawk> Acessado em 03/02/2024.
  4. Tradição Reclaiming de Bruxaria. Disponível em <https://reclaimingbrasil.com/2018/12/26/tradicao-reclaiming-de-bruxaria-nossa-historia/> Acessado em 03/02/2024.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 7 =

error: O conteúdo é protegido!